Felipe Neto compra 10 mil livros com tema LGBT para distribuir na Bienal

Obras virão com etiqueta: 'este livro é impróprio para pessoas atrasadas, retrógradas e preconceituosas'

Bruno Molinero
Rio de Janeiro

Após a prefeitura do Rio de Janeiro enviar fiscais para a Bienal do Livro nesta sexta-feira (6), em busca de livros pornográficos e com temática LGBT, o youtuber Felipe Neto decidiu patrocinar uma performance no evento neste sábado. Ele comprou e vai distribuir gratuitamente 10 mil livros que tenham temas ou personagens do universo LGBT.

A distribuição vai ocorrer ao meio dia, na praça de alimentação. Entre os títulos escolhidos, estão “Dois Garotos se Beijando”, de David Levithan (Galera); “Arrase!”, de RuPaul (HarperCollins); “Boy Erased”, de Garrard Conley (Intrínseca); e “Ninguém Nasce Herói”, de Eric Novello (Seguinte).

Aviso que virá na capa de livros com temática LGBT comprados por Felipe Neto
Aviso que virá na capa de livros com temática LGBT comprados e distribuídos por Felipe Neto - Reprodução

O caso acontece depois de o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, anunciar em seu Twitter na noite de quinta (5) que censuraria a HQ "Vingadores - A Cruzada das Crianças", que estava sendo vendida na Bienal. A história em quadrinho traz dois homens se beijando —o que Crivella considera pornografia e, portanto, atentaria contra o Estatuto da Criança e do Adolescente.

A prefeitura do Rio notificou extrajudicialmente a Bienal, não pedindo o recolhimento dos livros, mas dizendo que os exemplares de “Vingadores” fossem lacrados e viessem com uma classificação indicativa ou aviso de que há material ou cenas impróprios para menores de idade. ​

Por isso, os 10 mil livros doados serão entregues dentro de um saco preto e acompanhados de um aviso que diz: “Este livro é impróprio - para pessoas atrasadas, retrógradas e preconceituosas”.

O youtuber não fará as entregas pessoalmente, o que ficará a cargo de pessoas de sua equipe e de outros organizadores da performance.

 
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.