Descrição de chapéu Livros

Podcast sobre presidentes do Brasil vira livro

Após episódios em áudio que antecederam a eleição de 2018, jornalista retoma em texto preocupação com as ambiguidades

São Paulo

O jornalista Rodrigo Vizeu recorreu a livros de história do Brasil, entre outras fontes, na pesquisa para o podcast Presidente da Semana. Com 29 episódios, o projeto, lançado pela Folha, transcorreu entre abril e outubro do ano passado.

 
Tornou-se logo um sucesso de audiência, superando 4,7 milhões de acessos em diferentes plataformas um ano e meio depois da publicação do primeiro episódio. O projeto também conquistou o Prêmio Folha na categoria especial.

Histórias abordadas em livros chegaram ao áudio e agora, repaginadas, voltam ao livro. Vizeu lança “Os Presidentes - A História dos que Mandaram e Desmandaram no Brasil, de Deodoro a Bolsonaro”, obra com 33 capítulos, um para cada mandatário. Só não receberam destaque político com passagens muito breves pela Presidência, como Ranieri Mazzilli (1961 e 1964).

“A transição do texto do podcast para o do livro foi muito mais complexa do que eu imaginava. Há recursos que funcionam bem no áudio, mas não num meio como o livro”, diz Vizeu, atualmente editor de podcasts do jornal.

O jornalista aproveitou a nova visita à história do país para aprimorar a descrição de algumas figuras. É o caso do potiguar Café Filho, que assumiu o poder depois do suicídio de Getúlio Vargas, em agosto de 1954, e governou até novembro de 1955. Mencionado brevemente no podcast, Café Filho ganha um capítulo no livro.  

“Os Presidentes” preserva, porém, uma preocupação que permeou a série de áudios. Os donos do poder são retratados em suas ambiguidades, sem a tentação maniqueísta de encaixá-los nos rótulos de herói ou vilão. “A gente vê muito presente hoje essa tendência de demonizar ou endeusar figuras políticas. É uma visão simplista”, afirma o autor.

“Este livro não comporta uma conclusão derradeira e tampouco um ‘viveram felizes para sempre’”, escreve a historiadora e antropóloga Lilia Moritz Schwarcz no prefácio. “Mas no inacabamento reside seu maior trunfo: não se trata de fazer ‘concurso de melhor presidente’ ou propor votação para condenar alguns e elevar outros.”

Assim como nos episódios do podcast, os capítulos incluem observações de Schwarcz e outros historiadores, como José Murilo de Carvalho, Boris Fausto, Heloisa Starling, Marcos Napolitano e Isabel Lustosa. Há ainda comentários de economistas, cientistas políticos e jornalistas.

Na contramão de uma historiografia mais tradicional, Vizeu contempla as decisões que mudaram o rumo do país sem deixar de lado o que é supostamente prosaico, como a aparência física dos presidentes, suas manias, seus apelidos. 

Primeiro presidente da ditadura militar, Castelo Branco é descrito assim no livro: “Baixo, tinha braços muito longos encaixados em um reduzido tronco. Sobre o conjunto, equilibrava-se uma cabeça enorme que se conectava de maneira improvável ao restante do corpo, já que era difícil identificar a existência de um pescoço em Castelo”.  

Um dos objetivos de Vizeu é que o leitor possa “se imaginar se relacionando com o presidente”. A história daqueles que comandaram o país também se conta por meio de cabelos despenteados, como os de Jânio Quadros, e topetes inquietos, caso de Itamar Franco.  

 Os Presidentes 
Autor: Rodrigo Vizeu. Ed. Harper Collins. R$ 50 (336 págs.). Lançamento nesta segunda (21), às 19h, na Livraria da Vila (al. Lorena, 1.731)

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.