Descrição de chapéu Livros

Ditadura de Vargas durante Estado Novo era exaltada nas cartilhas para crianças

Político de São Borja é tema do 12º volume da Coleção Folha, que chega às bancas no domingo (1º)

São Paulo

Quando o gaúcho Getúlio Dornelles Vargas passou a comandar o país, logo após a Revolução de 1930, houve um acúmulo de poderes do Executivo. Mas o governo ganhou um perfil ostensivamente ditatorial em 1937, com a instalação do Estado Novo. 

Uma das principais medidas dessa nova fase foi a criação, em 1939, do Departamento de Imprensa e Propaganda, o DIP, uma máquina de promoção oficial do governo. 

A produção de cartilhas e livros infantojuvenis que louvavam a ditadura varguista estava entre as iniciativas do DIP. O culto à personalidade de um governante alcançava um ponto nunca visto no período republicano. 

Presidente que esteve por mais tempo à frente do poder (foram 18 anos e meio, considerando todos os períodos), Vargas é tema do 12º volume da Coleção Folha - A República Brasileira. O livro chega às bancas no próximo domingo, dia 1º de dezembro. 

O autor é o jornalista Lira Neto, o principal biógrafo do político de São Borja (RS).

A sanha autoritária do Estado Novo não se restringiu ao DIP. Antes de criar esse órgão, Vargas havia determinado a dissolução do Congresso Nacional e a extinção dos partidos. A Constituição de 1937 tinha autorizado o presidente a governar por decreto. 

Por outro lado, o Estado Novo consolidou uma série de leis trabalhistas, como a jornada diária de oito horas, o descanso semanal remunerado e as férias anuais. 

No Palácio do Catete, eram dois presidentes em um, o ditador e o “pai dos pobres”. 

Em outubro de 1945, Vargas foi deposto pelo general Góis Monteiro. Voltou ao Palácio do Catete cinco ano depois, desta vez eleito pelo povo.  

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.