Ao lado de Bolsonaro, Alvim anuncia editais de cultura para rever a história do Brasil

Divulgação de programas foi feito pelo presidente e pelo secretário em live nesta quinta na presença de Roberto Alvim

São Paulo

Ao lado de Jair Bolsonaro, o secretário da Cultura Roberto Alvim apresentou dados de programa de incentivo à cultura voltado para conservadores. O anúncio foi feito durante live nesta quinta (16) na página oficial do presidente no Facebook.

Bolsonaro faz live com ministro da Educação Abraham Weintraub (esq.) e Roberto Alvim (dir.), secretário especial da Cultura
Bolsonaro faz live com ministro da Educação Abraham Weintraub (esq.) e Roberto Alvim (dir.), secretário especial da Cultura - Divulgação

Um dos tópicos anunciados foi o investimento de R$ 20 milhões do Fundo Nacional de Cultura para editais com aportes diretos do governo. Também estava presente na live o ministro da Educação, Abraham Weintraub.

Em suas sete categorias, o prêmio vai selecionar cinco óperas, 25 espetáculos teatrais, 25 exposições individuais de pintura e 25 de escultura, 25 contos inéditos, 25 CDs musicais originais e 15 propostas de histórias em quadrinhos.

Durante a live, o presidente voltou a defender filtros a temas de obras incentivadas, recusando porém o termo censura.

"Pede dinheiro para seu vizinho e vai fazer o filme que bem entender", disse o presidente, em defesa do que Alvim considera ser "uma curadoria" do governo.

Alvim também disse que o governo vai "lançar um edital para cinema" ficando "filmes sobre a independência do Brasil e sobre figuras históricas brasileiras, alinhados ao conservadorismo nas artes" e que "dignifique o ser humano".

Na cultura, o ano de 2019, primeiro da gestão de Bolsonaro, foi marcado por discursos de que a área era, nos governo anteriores, aparelhada pela esquerda. Houve uma série de renomeações para cargos de comando nos principais órgãos, como Funarte, Fundação Palmares e Fundação Casa de Rui Barbosa.

O presidente defendeu durante o exercício do ano "filtros" nos programas de incentivo à cultura. Bolsonaro se posicionou contra obras que tratavam de questões sexuais, de gênero e críticos à ditadura militar. Uma das obras que atacou foi a série "Me Chama de Bruna", sobre Bruna Surfistinha.

Alvim foi escolhido pelo presidente para a subpasta da Cultura após se manifestar contra a produção de artistas que o dramaturgo considera ser de esquerda. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.