Jay-Z processa autoridades penitenciárias por mau tratamento a presidiários

O advogado Alex Spiro escreveu uma carta ao governador de Mississippi e à comissária do Departamento de Correções

Rama Venkat
Reuters

O rapper Jay-Z abriu processo nesta terça-feira (15) duas autoridades penitenciárias do Mississippi, no sudeste dos Estados Unidos, em nome de 29 detentos que dizem que as autoridades não fizeram nada para impedir a violência que matou cinco presidiários nas últimas duas semanas, informou a NBC News.

A ação indica que “essas mortes são resultado direto do desrespeito total do Mississippi pelas pessoas que estão encarceradas e por seus direitos constitucionais”, segundo a reportagem.

Em nome de Jay-Z e do também rapper Yo Gotti, o advogado Alex Spiro escreveu uma carta ao governador de Mississippi e à comissária do Departamento de Correções, datada de 9 de janeiro, em que alegava que os artistas estavam “preparados para seguir todos os caminhos possíveis a fim de obter ajuda para as pessoas vivendo nas prisões do Mississippi e suas famílias". 

A carta acrescentava que as mortes foram resultado de anos de severa falta de mão de obra e negligência nas penitenciárias do Mississippi.

“Já que o Mississippi encarcerou um número crescente de pessoas, reduziu drasticamente o financiamento de prisões. Como resultado, as condições das prisões não atendem nem aos direitos humanos mais básicos”, informou a NBC, citando o conteúdo da carta.

A ação busca indenização para os presos e uma ordem que force o Departamento de Correções do Mississippi a resolver os problemas, principalmente aumentando a equipe e limpando o esgoto, segundo o site de celebridades TMZ.

O Departamento de Correções do Mississippi e o escritório de Spiro não responderam imediatamente a um pedido da Reuters por comentários.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.