Descrição de chapéu

Réplica: É perigoso dizer que artistas são omissos na política por ficarem ricos

Ninguém é obrigado a se manifestar publicamente sobre qualquer tema ou acontecimento

São Paulo

O texto do escritor e empreendedor social Anderson França publicado na Folha na última terça-feira (21) é, sem dúvida, lógico, pertinente. O silêncio de boa parte dos artistas mais populares do país sobre o que Roberto Alvim fez ou tentou fazer na Secretaria Especial da Cultura é inquietante, preocupante. Pelo tom do que o colunista escreveu, é revoltante. Mas há um exagero.

Parece evidente que essa apatia dos artistas incomoda, mas a mira da artilharia contra pagodeiros, sertanejos e funkeiros revela alguma miopia. As atrocidades culturais e sociais impostas pelo governo não incendeiam reações enérgicas em vários outros extratos da população. Se a classe artística se demonstra anestesiada contra ações ultrajantes, o mesmo pode ser dito dos esportistas, dos profissionais liberais, dos estudantes, entre outros.

Elencar os nomes de artistas bem-sucedidos do atual panorama pop como um bando de frouxos que só pensam em ganhar dinheiro, sob quaisquer condições, tem algo de afronta às liberdades individuais. Para dizer de forma muito resumida, ninguém é obrigado a se manifestar publicamente sobre qualquer tema ou acontecimento.

Há uma visão muito linear e limitante na exposição do escritor. É preciso concordar que muitas manifestações artísticas nascem de guetos de menos favorecidos, como os citados pagode, axé, música sertaneja e funk. E faz parte de uma engrenagem nociva, de muita competitividade, que alguns artistas saiam desses lugares para ocupar um trono de popularidade cuja alta remuneração beira a insanidade.

Mas daí a determinar que esses indivíduos sejam omissos em relação a descalabros impostos pelos governantes apenas porque estão podres de ricos é uma generalização perigosa. Dizer que o artista se cala com medo de perder um patrocínio é uma suposição tênue. Até porque, se achar conveniente, o mercado publicitário é esperto o bastante para também atrelar produtos a artistas engajados. Pega bem ser consciente, revoltado, brigador.

Essa tentativa de execração pública de artistas populares das gerações mais novas passa, sem dúvida, pela metamorfose que a manifestação cultural politizada sofreu nas últimas décadas.

É comum alguém, quase sempre uma pessoa madura, dizer que a música de hoje é uma porcaria, produto de gente alienada, muito inferior ao que era criado antigamente. A comparação de qualidade musical é assunto para outra polêmica, mas o que está sendo confrontado aqui são canções de caráter político e música de entretenimento.

Durante a ditadura, as manifestações artísticas driblavam a censura para expor uma discussão política que não tinha vez como um debate aberto, explícito. Com a redemocratização, essas questões ganharam arenas próprias. A canção engajada, de uma MPB de certo modo "séria", foi perdendo popularidade para uma sucessão de gêneros festivos —o rock brasileiro que veio carregado de humor, o axé e sua celebração da dança, o novo sertanejo e sua ressignificação da dor de corno, o pagode que traiu o samba de raiz com letras inócuas, o som eletrônico da exigência física de suas dezenas de batidas por minuto.

Depois de tanto consumo de música com caráter apolítico, exceto por raríssimos casos inseridos aqui e ali nesses gêneros, foi construído um cenário sonoro exclusivamente voltado ao entretenimento.

Hoje, consumir música deixou de lado até a disputa entre os gêneros para encontrar sua plateia. As antigas tribos musicais, que dividiam a turma do rock, a da MPB, a do sertanejo, perderam suas linhas limítrofes. Agora o público vai a um show para vivenciar o encontro com os outros, buscar a oportunidade de uma relação afetiva, não dando a mínima para o estilo de música no palco. Pagodeiros, funkeiros e sertanejos dão shows juntos, sem nenhum atrito musical.

Essa novíssima geração se defende sob a bandeira do entretenimento puro e simples. Querem fazer o público se divertir, sem a preocupação de passar mensagens, de nenhuma forma ou de qualquer intensidade.

É a mudança do mundo. Há 40 anos as pessoas iam a um show do Chico Buarque ou do Gonzaguinha para ouvir o que eles tinham a dizer. Ninguém faz isso no show da dupla Edson & Hudson, ou busca novas ideias num dueto de Luan Santana e Anitta.

Essa é uma constatação horrível? Um atestado de decadência cultural ou algo semelhante? Pode ser, mas essa é outra discussão.

Obrigar essa moçada criada sob a mecânica estrita do entretenimento a processar os problemas da passagem de Roberto Alvim pela Secretaria Especial da Cultura e protestar é pedir demais. E, no caso de um texto agressivo, citando nomes de artistas populares que não foram consultados sobre a questão, é algo ineficaz e autoritário.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.