Morre o designer Milton Glaser, que desenvolveu o logotipo 'I Love NY'

Artista americano criou pôsteres e redefiniu o visual de empresas e publicações

São Paulo

Um dos maiores designers da história e dos grandes responsáveis por mudar a fama de Nova York no final do século passado, o americano Milton Glaser morreu nesta sexta (26), aos 91 anos.

A causa foi um derrame, segundo sua mulher, Shirley, disse ao jornal The New York Times.

Glaser, nascido no Bronx em 1929, era filho de imigrantes húngaros e contava que havia decidido se dedicar à área do design desde que, na infância, um primo mais velho havia desenhado a ele um passarinho numa sacola de papel.

O designer teve aulas de desenho durante a adolescência e começou a trabalhar numa empresa que projetava pacotes antes de ingressar na Cooper Union for the Advancement of Science and Art, instituição de ensino onde se uniria a outros três colegas na fundação da Design Plus.

Sediada no Greenwich Village, a empresa mais tarde viria a se tornar a Push Pin Studios, à qual Glaser se uniu depois de ter trabalhado na revista Vogue e de ter estudado na Escola de Belas Artes de Bolonha, na Itália. A experiência na Europa, onde ele manteve contato próximo com o pintor Giorgio Morandi, o tornou mais afeito à ideia do desenho em detrimento da colagem.

Glaser dizia que se um designer precisava se apoiar em recortes e rearranjos para obter algum efeito que não conseguia reproduzir por meio de seus próprios traços, então ele estaria com problema.

Também costumava afirmar que todo tipo de criação humana poderia servir de inspiração para o desenho --da técnica de lavagem chinesa aos registros pictóricos da América pré-histórica, passando por art nouveau e adornos do mundo muçulmano.

Um exemplo de como Glaser trabalhava com várias referências é o pôster que ele criou para acompanhar o disco "Bob Dylan's Greatest Hits", lançado pelo músico americano em 1967. A imagem parte do mesmo recurso usado por Marcel Duchamp em seu autorretrato em perfil e emprega ondas coloridas, inspiradas em arte islâmica, para compor as madeixas de Dylan.

Foi na sua cidade natal que o artista fez seus principais trabalhos, sobretudo a partir dos anos 1950. Desenhou capas de edições das peças de Shakespeare e de livros infantis. No Push Pin Studios, desenvolveu traços rocambolescos e coloridos que se notabilizariam na década seguinte em ilustrações com alusões psicodélicas, como as do disco "Yellow Submarine", dos Beatles.

No ano de 1968, Glaser se uniu ao editor Clay Felker e juntos fundaram a revista New York, cujo visual arrojado inspirou diversas publicações nas décadas seguintes. O designer foi o responsável por toda a parte gráfica do veículo pelos próximos nove anos.

Foi em 1977, aliás, que Glaser desenvolveu aquela que talvez seja a sua criação mais famosa, o logotipo "I<3NY", que hoje estampa uma centena de badulaques, de chaveiros a camisetas, vendidos para turistas em Nova York.

Na época, a metrópole americana vivia um de seus períodos mais decadentes, com pobreza e violência galopantes. Glaser aceitou a proposta de desenvolver o logotipo para uma campanha que visava promover o turismo na cidade.

Ele diz que criou o símbolo no banco traseiro de um táxi, usando apenas lápis de cor. O desenho representa em boa medida o trabalho sintético de Glaser, com a sigla NY em preto acompanhada de um coração vermelho rechonchudo.

O logo se tornou o grande emblema do momento que viveria a cidade décadas depois, mais amigável. Viria, inclusive, a ser retrabalhado após o 11 de setembro, com uma marca preta no coração representando as torres chamuscadas.

Reconhecido por seu trabalho, Glaser fez o logotipo da Aids a pedido da Organização Mundial da Saúde, pôsteres como o da peça "Angels in America" e da série de televisão "Mad Men", e redesenhou a identidade visual de empresas, como a cadeia de supermercados britânicos Grand Union e dos jornais Washington Post e o brasileiro O Globo.

Suas criações já ganharam retrospectivas em instituições como o MoMA, em Nova York.

Com informações do New York Times

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.