Descrição de chapéu Livros

Mercado de livros encolheu 20% desde 2006, mostra pesquisa

Setor que teve queda mais brusca foi de livros científicos, e o único que cresceu foi o de obras religiosas

São Paulo

O faturamento do mercado editorial brasileiro encolheu 20% de 2006 a 2019, mostra pesquisa divulgada nesta quinta (9) pela Câmara Brasileira do Livro e pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros.

Ainda que o ano passado tenha visto um crescimento de 6% nas vendas, não foi um aumento suficiente para estancar a queda observada no período imediatamente anterior —em especial desde 2015, quando se agravou a crise econômica do país.

Quando se olha só as compras pelo mercado, sem contar as aquisições do governo, o decréscimo foi ainda mais brusco, de 29%.

O único grupo que cresceu entre os pesquisados foi o dos livros religiosos, que teve um aumento de 3% nas vendas para mercado e governo, em comparação com 14 anos atrás.

A queda mais acentuada foi a dos livros científicos, técnicos e profissionais, que tiveram redução de 42% na série histórica. O setor tinha sido alavancado pelos investimentos em ensino superior, de 2006 a 2014, mas as vendas caíram pela metade entre a segunda eleição de Dilma Rousseff e o primeiro ano do governo Bolsonaro.

Os livros didáticos tiveram uma queda de 23% nas vendas ao mercado, mas as compras do governo —que representam metade do total de livros vendidos— estancaram a redução geral para 8% desde 2006.

O fechamento das livrarias por causa da pandemia, em março, interrompeu o crescimento promissor das vendas do mercado editorial em 2019.

Em abril, o faturamento com livros caiu quase pela metade, comparado com o mês anterior. Mas o valor vem se reerguendo mensalmente desde então, e a última contagem divulgada em junho registrou um crescimento de 31% nas vendas —ainda que o número fosse 3% menor do que o registrado no mesmo mês do ano passado.

Há muita expectativa no setor quanto ao que vai acontecer com o faturamento agora que a maioria das lojas está em movimento de reabertura.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.