Descrição de chapéu Cinema

Nelly Kaplan, cineasta anarcofeminista francesa, morre vítima da Covid-19

Franco-argentina, morta aos 89, integrou a nouvelle vague e dirigiu documentários de nomes como Pablo Picasso

Paris | AFP

A cineasta franco-argentina Nelly Kaplan, ícone da nouvelle vague e diretora de "La Fiancée du Pirate", morreu nesta quinta-feira (12), aos 89 anos, vítima do novo coronavírus, num hospital de Genebra.

De acordo com um de seus familiares, François Martinet, Kaplan havia acompanhado o companheiro, o ator e produtor Claude Makowski, à Suíça, onde ele morreu em agosto em consequência da doença de Parkinson. Desde então, a diretora, que também se destacou como escritora anarcofeminista, permaneceu numa casa de repouso, onde contraiu a Covid-19.

Kaplan era de uma família de judeus russos. Nasceu em Buenos Aires e, aos 22 anos, se mudou para a França, onde começou a colaborar com o diretor Abel Gance, conhecido pelo longa "Napoleão", de 1927.

Ela ficou famosa com "La Fiancée du Pirate", exibido no Festival de Veneza de 1969. Dirigiu outros filmes, como "Papa, Les Petits Bateaux…", de 1971, e "Charles et Lucie", de 1979, assim como documentários sobre artistas consagrados, como Pablo Picasso, Gustave Moreau, Abel Gance, André Masson e Victor Hugo.

A artista teve relacionamentos com vários escritores, como o surrealista André Breton.

Escreveu textos eróticos que chocaram a censura. Em 1974, publicou sob pseudônimo o romance "Mémoires d'une Liseuse de Draps".

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.