Bob Dylan vende mais de 600 composições em acordo de quase R$ 1,5 bilhão

Catálogo comprado pela Universal Music inclui clássicos como 'Blowin 'in the Wind', 'The Times They Are A-Changin'

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo | UOL

A Universal Music comprou todo o catálogo de composições de Bob Dylan, com mais de 600 canções, incluindo os clássicos "Blowin 'in the Wind", "The Times They Are A-Changin'" e "Like a Rolling Stone".

Segundo o jornal americano The New York Times, o acordo pode ser a maior aquisição de todos os direitos de publicação em um único ato. Apesar de os valores oficiais não terem sido divulgados, é estimado que foram gastos cerca de US$ 300 milhões, ou aproximadamente R$ 1,5 bilhão, pela gravadora.

O negócio também inclui 100% da renda que Dylan recebe como compositor, além de seu controle dos direitos autorais de cada música. Ainda segundo a publicação, o contrato foi fechado diretamente com o artista, que por muito tempo controlou a maioria de seus próprios direitos autorais de composição.

"Não é nenhum segredo que a arte de compor é a chave fundamental para toda boa música, nem é um segredo que Bob é um dos maiores praticantes dessa arte", disse Lucian Grainge, executivo-chefe da Universal Music, em comunicado.

"Representar o corpo da obra de um dos maiores compositores de todos os tempos —cuja importância cultural não pode ser exagerada— é um privilégio e uma responsabilidade", acrescentou Jody Gerson, chefe-executiva da divisão de publicação da gravadora.

O novo acordo com a Universal não inclui nenhuma música que Bob Dylan escreva no futuro.

Homem branco com cabelo curto toca violão e fuma cigarro em frente a microfone enquanto está em cima de um palco. Foto em preto e branco
O cantor Bob Dylan com o cineasta D. A. Pennebaker ao fundo em cena do documentário "Don’t Look Back", de 1967  - Reprodução
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.