Descrição de chapéu
Livros

Brasil de Bolsonaro não cabe no novo livro de Fernando Bonassi

'Degeneração' narra descida a um inferno burocrático para que um filho libere o corpo do pai odiado

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Beatriz Resende

É professora da Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro

Degeneração

  • Preço R$ 49,90 (288 págs.)
  • Autor Fernando Bonassi
  • Editora Record

"Degeneração", de Fernando Bonassi, mantém a mesma escrita forte e exaltada de seu romance anterior, "Luxúria", de 2015, mas o tom é ainda mais alto, na voz de um narrador que expele revolta, violências e xingamentos em voz baixa ou em pensamentos.

É mais um cidadão degenerado em espaços carcomidos, desgastados de um subúrbio degenerado ocupado por italianos e seus descendentes degenerados num bairro cheirando a gordura, envolto na poluição da rica São Paulo.

Na véspera da eleição do presidente Jair Bolsonaro, o homem sabe da morte do pai que fugira do asilo de velhos e percorre, com nojo, a burocracia necessária para o tirar do decadente hospital dos italianos, levar o corpo ao cemitério e o cremar. Dia de que só quer escapar para aproveitar o feriado, "meter na minha esposa, bater nos meus filhos, viajar de carro, gastar dinheiro e viver a vida que me resta".

0
Capa de 'Degeneração', livro de Fernando Bonassi lançado em 2021 pela editora Record - Divulgação

O pai foi tudo de ruim —informante da polícia, auxiliar de torturador, aplicou golpes em famílias pobres e mulheres abandonadas. Pai que se ocupava em casa de submeter a família a humilhações e na rua experimentava o prazer da extorsão. A alegria era o churrasco onde partilhava com amigos policiais o prazer de torturar animais, brindando ao que vão matar e comer.

Diante do cadáver nu do pai na bandeja do necrotério, velho, com pés imundos, o ódio se junta à repulsa e revê os piores momentos da vida de "classe baixa", da mãe ignorante e acuada, incapaz de reação, dos irmãos criados entre armas do sádico que os educara para o mal. Na hierarquia da miséria, a vizinhança de italianos e brasileiros incapacitados ia vivendo em meio a ruas ocupadas por prostitutas, travestis e humilhados.

No hospital encardido, o homem comum se enfurece com os formulários e protocolos, com os funcionários incompetentes, mas tudo isso é calado, gritado por dentro, "abano meu rabo como um cão esfomeado, como vocês, como todos".

Com o fim do pai e tudo que representava, com a velhice dos amigos de delegacia que acompanham armados a cremação, deveria surgir uma nova era.

O escritor Fernando Bonassi - Marcus Leoni/Folhapress

Mas, no dia seguinte, será eleito "um capitão reformado do exército que sente saudade da ditadura e não gosta de mulher nem de veados, nem de negros, num governo de milicianos avalizado pelo Exército nacional". A degeneração continuará e o macho também violento com os seus palavrões não escapará da podridão moral que se espalha.

Bonassi, com este romance, dá continuidade à sua denúncia realista da sociedade, por vezes num tom de Ken Loach no filme "Eu, Daniel Blake", em que um homem comum é esmagado pelo neoliberalismo de um estado que não o protege. No lugar da solidariedade provocada pela ideia de "poderia ser eu" que o filme provoca, a intenção aqui parece ser provocar a fúria como forma de mobilização.

O momento da publicação do livro, no entanto, e o cumprimento das previsões de eleição do "malfadado candidato", amortece o funcionamento do realismo usado.

O horror dos hospitais sob os efeitos devastadores da pandemia, ofusca a indiferença reinante no hospital dos italianos. O governo não mais apenas despreza os pobres, mas compactua com suas mortes. A figura do pai desprezível e autoritário não dirige mais a família, mas sim o país.

Nem o realismo mais potente consegue dar conta de ficcionalizar os tempos que vivemos. Talvez por isso a literatura comece a recorrer a distopias para falar do Brasil.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.