Não faz sentido culpar a internet pelas fake news, afirma pesquisador

Ricardo Abramovay analisa estudo sobre como influência da TV e círculos ideológicos geram desinformação

Ricardo Abramovay

[RESUMO] Ambientes virtuais onde se espalham mentiras não representam ameaça à democracia, de acordo com autor, que analisa estudo sobre como a influência da TV e a formação de uma identidade conservadora impermeável a fontes de informação diversificadas têm papel definitivo na atual epidemia de desinformação.

 

A ascensão da extrema direita em várias partes do mundo lançou a internet num ameaçador território distópico. O otimismo em torno de sua vocação democratizante e descentralizadora esvaneceu, até para seus mais vigorosos apologistas. 

Nicholas Thompson, comemorando os 25 anos da revista Wired (a mais importante publicação sobre tecnologia em todo o mundo) afirma, logo ao início da imperdível conversa que manteve com Yuval Noah Harari e Tristan Harris: “Quando a revista foi fundada, ela tinha a marca do otimismo, da mudança e pautava-se na ideia de que tecnologia é uma coisa boa e mudança é uma coisa boa. Vinte e cinco anos depois, olhando como o mundo está, não dá mais para manter integralmente aquela filosofia”.

mulher se vê em espelho-celular
Capa da Ilustríssima - Bruno Maron

A internet pede desculpas: este é o título de um conjunto de entrevistas que a revista norte-americana Intelligencer fez com figuras importantes do Vale do Silício, como Jaron Lanier (cujo último livro propõe que as pessoas abandonem todas as redes sociais), Guillaume Chaslot (que ajudou a desenvolver o algoritmo de recomendações do YouTube e que hoje denuncia seus efeitos nefastos) e Roger McNamee (investidor que foi conselheiro de Mark Zuckerberg e é atualmente um de seus mais implacáveis críticos), entre outros. 

Acumulam-se artigos científicos e imensa quantidade de livros nos últimos dois ou três anos denunciando o modelo de negócios dos gigantes digitais contemporâneos por estar conduzindo o bem público que é a internet a um caminho oposto ao concebido por seus criadores.

Yochai Benkler, Robert Faris e Hal Roberts (os três do Berkman Klein Center para Internet e Sociedade da Universidade Harvard) acabam de publicar “Network Propaganda” (propaganda em rede, Oxford University Press).

No livro, mesmo reconhecendo as ameaças do modelo de negócios dos gigantes digitais à vida cívica contemporânea, os autores mostram que as mídias sociais não podem ser consideradas como os vetores fundamentais da ascensão do que chamam de “majoritarianismo autoritário” nos Estados Unidos e, provavelmente, tampouco no resto do mundo.

Na base deste modelo de negócios estão as mudanças tecnológicas que tiveram início com o smartphone, a computação em nuvem, o avanço da aprendizagem de máquinas e da inteligência artificial. Captadores de imagens, de voz, que reconhecem o movimento das pessoas, mesmo que não estejam em posse de seus celulares completam o que Shoshana Zuboff caracteriza como o capitalismo de vigilância. 

Os dados que fornecemos permanente e involuntariamente não só no uso de dispositivos digitais, mas até caminhando pelas ruas ou fazendo compras são coletados, armazenados, processados e permitem o conhecimento individualizado de cada um de nós num grau de detalhe que vai além de tudo o que o marketing convencional (comercial ou político) jamais sequer imaginou.

O conhecimento tão minucioso e personalizado não só de nossos comportamentos, mas até de nossos sentimentos íntimos abriu caminho a um modelo de negócios pelo qual os gigantes digitais conquistaram graus de riqueza e de poder inéditos na história da economia moderna.

 

Como bem mostra Woodrow Hartzog no recém-publicado “Privacy’s Blueprint” (a planta da privacidade, Harvard University Press), a concepção dos dispositivos digitais e dos aplicativos a partir dos quais os usamos agride alguns dos mais importantes valores da democracia, a começar pela privacidade.

Mas, como esta permanente invasão da privacidade é um fenômeno coletivo, atingindo hoje bilhões de pessoas, Hartzog denuncia um perigoso poder de influir nas opções dos consumidores e dos cidadãos por parte de quem detém o conhecimento dos perfis de cada um de nós. 

O escândalo do vazamento dos dados dos usuários do Facebook coletados pela Cambridge Analytica levantou a suspeita de que o resultado das eleições norte-americanas de 2016 teria sido outro sem a manipulação que permitiu o envio de mensagens personalizadas e de forma massiva voltadas a destruir a figura de Hillary Clinton.

O diagnóstico parece irrefutável, quer se trate de Donald Trump, do Brexit, de Viktor Orbán na Hungria ou de Rodrigo Duterte nas Filipinas: o modelo de negócios dos gigantes digitais, a coleta generalizada de dados pessoais, o tratamento destas informações por algoritmos cada vez mais sofisticados e o conhecimento individualizado a que abrem caminho; tudo isso permite uma influência sobre a vida cívica e eleitoral que compromete a própria democracia. 

Junte-se a isso o uso destes dispositivos por estrangeiros (e sobretudo russos, no caso norte-americano) e está formado o quadro que poderia ser sintetizado numa fórmula sombria: a democracia não tem como sobreviver à internet.

“Network Propaganda” contesta esta conclusão, respaldado por colossal massa de dados empíricos. Não que a internet esteja isenta de ameaças para a vida democrática ou que as mídias sociais não tenham sido veículos de transmissão de notícias falsas em larga escala. Entretanto, segundo pesquisa citada por Benkler, Faris e Roberts, apenas 14% dos norte-americanos identificavam as mídias sociais como as mais úteis fontes para sua informação, no processo eleitoral de 2016. 

Isso significa que os eleitores foram às urnas bem informados?

Para responder a esta pergunta, os autores mostram uma impressionante assimetria entre o ecossistema informativo em que vivem os eleitores da extrema direita norte-americana e aquele que marca os de centro e os de esquerda. 

Entre aqueles que se consideram “consistentemente conservadores”, 47% informam-se sobre governo e política quase exclusivamente pela Fox News. 

Trata-se de um canal de TV que não hesita em difundir e fazer “reportagens” sobre a filiação de Hillary Clinton ao fundamentalismo islâmico, sobre o poder da Arábia Saudita na Fundação Clinton, sobre o acordo secreto para que os americanos vendam urânio para os russos, sobre o tráfico de crianças vindas do Haiti, promovido pelos Clinton, visando a pedofilia, ou sobre o chefe da campanha de Hillary (John Podesta, hoje professor visitante da prestigiosa Georgetown Law University) como praticante de magia negra. 

 

Por maior que tenha sido a divulgação destas histórias pelo Facebook, essa era a fonte principal de informação para apenas 7% dos eleitores de Donald Trump.

Já as pessoas que se declaram “consistentemente liberais” tinham suas fontes de notícias muito mais diversificadas: 15% assistiam à CNN, 13% à NPR, 12% à MSNBC e 10% liam o jornal The New York Times. Da mesma forma que com os eleitores de Trump, o Facebook foi a fonte primária de informação para apenas 8% dos eleitores democratas.

É verdade que a desconfiança com relação à imprensa aumentou muito nos EUA dos anos 1970 para cá, quando atingia entre 10% e 20% da população (um pouco mais os republicanos que os democratas). Em 2016, essa desconfiança subiu assustadoramente, mas chega a 40% entre os democratas e a nada menos que 60% entre os republicanos.

Três conclusões emergem desses dados: a primeira é que a influência das mídias sociais nas eleições norte-americanas de 2016 foi bem inferior ao que inúmeros estudos estimam. Mesmo que o envio personalizado, mas massivo, de mensagens ameacem a democracia, não foi este o principal responsável pela informação de que se alimentou o eleitor norte-americano em 2016. 

A segunda conclusão é que a televisão teve um papel decisivo. A terceira é a mais importante, sobretudo porque traz lições sobre a ascensão da extrema direita além dos Estados Unidos: são muito mais concentradas e exclusivas as fontes de informação dos eleitores de Trump, quando comparados aos democratas.

Se essa concentração fosse o resultado do formato e do design das mídias sociais, ela atravessaria de modo mais ou menos homogêneo todo o espectro político.

Mas na extrema direita é impressionante a crença e a falta de meios de contestação de histórias totalmente absurdas e que só podem ser compartilhadas por quem está fechado num círculo político e cultural que reitera as identidades que o constituem (a supremacia branca, a aversão à imigração, os valores tradicionais contrários à revolução sexual e à emancipação feminina, entre outros). 

Nos Estados Unidos, o compartilhamento de informações fantasiosas, sem qualquer verificação de sua veracidade, atinge de forma sistemática nada menos que 40% da população. Mas a fantasia não se distribui de forma homogênea no espectro político e eleitoral.

A palavra “polarização” escamoteia notável assimetria entre o comportamento da mídia de extrema direita e as regras que norteiam o ecossistema informativo a que ela não se filia. São duas comunidades epistêmicas que funcionam a partir de lógicas bem distintas uma da outra. 

várias figuras
Ilustração - Bruno Maron

Claro que na esquerda também circulam histórias falsas como a veiculada em 2016, de que Donald Trump violentara uma criança de 13 anos em 1994. Mas esta informação foi muito mais submetida ao crivo da crítica e das fontes alternativas do que aquelas criadas pela Fox, pelo Breitbart e por inúmeros colunistas (muitos dos quais praticantes do poderoso tele-evangelismo), difusores de histórias em que é difícil imaginar que as pessoas acreditem.

O poder dessas narrativas fantasiosas torna-se ainda mais intrigante quando se leva em conta que, durante o século 20, desenvolveram-se instituições e uma cultura voltada a coibir o charlatanismo em quase todos os campos profissionais. 

Isso se exprime nas associações médicas, na generalização dos métodos de revisão pelos pares em publicações científicas, nas associações de economistas, cientistas políticos, advogados e na edição, por parte da maior parte dos grandes jornais em todo o mundo, de manuais de Redação que procuram estabelecer os meios que permitem ao público a crença compartilhada nas informações transmitidas e as bases do jornalismo objetivo. 

É claro que a mentira, a má informação, a desinformação intencional e a má-fé sempre existiram, sobretudo no calor das disputas eleitorais. Mas o século 20, sobretudo após a Segunda Guerra Mundial, traz a marca de instituições e do fortalecimento de uma cultura, ao menos nas sociedades democráticas, voltadas a coibir a informação mentirosa e suas narrativas.

Este mundo desabou, sobretudo na segunda década do século 21, quando, nos Estados Unidos, entram em cena tanto um conjunto de colunistas, sites e blogs (Breitbart, Infowars, Truthfeed, Zero Hedge, Gateway Pundit) de repercussão nacional sem qualquer compromisso com essas normas de objetividade. E mesmo emissoras como Fox News e Daily Center, que alegam seguir normas de jornalismo objetivo, na verdade não o fazem.

Benkler, Faris e Roberts mostram que nos Estados Unidos o ecossistema informativo não é marcado por uma polarização direita/esquerda e, sim, entre direita e todo o restante da mídia. É na direita, mostram os dados, que se concentram os modelos de câmaras de eco, com alto grau de impermeabilidade de seus participantes a tudo que não pertence ao universo cultural em que vivem, o que os torna ainda mais suscetíveis à crença em teorias conspiratórias e narrativas inverossímeis.

O noticiário, as opiniões dos colunistas de repercussão nacional e dos blogs mais frequentados têm permanentemente essa propensão de confirmar a identidade cultural dos que os recebem e transmitem.

Em que consiste essa identidade conservadora? No caso norte-americano, ela é uma reação ao movimento de direitos civis (contra o racismo), às lutas pela emancipação feminina, à revolução nos costumes que os anos 1960 trouxeram e contra os quais um vasto conjunto de pregadores religiosos, de colunistas e de emissoras de rádio e TV (que passaram a ter alcance nacional por mudanças na legislação de broadcasting) se organizou. 

A valorização da família patriarcal e a apologia do individualismo são o sustentáculo dos pilares pelos quais a coalizão que resultou na presidência de Donald Trump imprimiu sentido e identidade (mais do que um programa de governo) a milhões de norte-americanos que se alimentam espiritualmente do fechamento em si mesmo de seu ecossistema informativo.

Duas conclusões podem ser tiradas da análise produzida por Benkler, Faris e Roberts. A otimista é que a internet não está condenada a ser um vetor de destruição da democracia. É fundamental e é possível estabelecer regras que permitam ao público distinguir a informação da propaganda política tóxica e há um forte movimento nesta direção, não só nos Estados Unidos. 

A pessimista é que não há forma simples de enfrentar a crise epistêmica em países onde grande parte da população vive em círculos culturais que fazem da informação distorcida (e muitas vezes falsa) um meio para fortalecer as identidades e os significados a partir dos quais as pessoas enxergam o mundo.


Ricardo Abramovay é professor sênior do Instituto de Energia e Ambiente da USP e autor de “Muito Além da Economia Verde” (Planeta Sustentável/Abril).

Ilustração de Bruno Maron, quadrinista e ilustrador.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.