Mesmo em países ricos, apoio do Estado a pesquisa é essencial

Trajetória de cientistas de reconhecimento internacional demonstra relevância do investimento na educação

Rodrigo Simon

[RESUMO] Trajetória de cientistas brasileiros de reconhecimento internacional —como Daniel Takahashi, com pós-doutorado na Universidade de Princeton (EUA)— demonstra a relevância do investimento público na educação e rebate o mito de que pesquisas não contam com apoio do Estado em países ricos.

Por quase uma década, o cientista Daniel Takahashi viveu uma rotina que daria inveja a muitos pesquisadores brasileiros que hoje temem ver seus projetos paralisados por conta de decisões do governo federal, que anunciou o bloqueio de verbas para universidades federais e cortes nas bolsas de estudo.

Todas as manhãs, depois de dedicar algumas horas à leitura, ele se despedia dos gatos Juju e Dudu, e em 15 minutos percorria de carro os dez quilômetros que separam o pequeno mas aconchegante apartamento em Lawrenceville, pacata cidadezinha de menos de 10 mil habitantes no estado de Nova Jersey, do campus da Universidade de Princeton, nos Estados Unidos.

No prateado prédio do Instituto de Neurociências, a poucos metros do lago Carnegie, onde um antigo professor alemão de nome Albert Einstein gostava de velejar em seus momentos de folga, Takahashi, invariavelmente de bermuda e chinelos, passava 12 horas por dia fazendo pesquisas que estão na 
fronteira da ciência mundial.

daniel ao lado de busto de einstein
O pesquisador Daniel Takahashi, formado na Universidade de Princeton, ao lado de busto de Einstein - Arquivo pessoal

Para que se tenha uma ideia, em 2015 ele conseguiu provar que o desenvolvimento da fala em saguis é um processo de aprendizado que depende não apenas da evolução anatômica de seus corpos, mas também da interação social com seus pais, tal qual acontece com bebês humanos. 

Os pequenos primatas são hoje uma das espécies com maior potencial biomédico, o que pode ajudar na compreensão de doenças que afetam a humanidade. Os resultados de sua pesquisa foram parar na capa da prestigiosa revista Science.

Takahashi não fritou hambúrguer nos Estados Unidos. Doutor em bioinformática pela USP, onde se formou também em medicina e matemática, foi ao país fazer um pós-doutorado.

No entanto, nove anos depois de sua chegada, mesmo com um currículo que o credenciaria a trabalhar em qualquer centro de pesquisa norte-americano, o brasileiro resolveu fazer o caminho contrário daqueles que sonham com uma chance em uma universidade como Princeton, da qual ex-alunos e professores já levaram para casa mais de 40 prêmios Nobel.

O professor de biologia molecular Eric F. Wieschaus, que venceu o Prêmio Nobel de Medicina em 1995, em sua sala na Universidade de Princeton - Associated Press - 9.out.1995

Hoje, quem quiser encontrar Takahashi vai precisar procurá-lo no Instituto do Cérebro, em Natal, unidade acadêmica especializada ligada à reitoria da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), onde ele dá aulas para estudantes da graduação e da pós.

Voltar ao Brasil e fazer ciência aqui sempre foi um sonho. “Uma parte importante da minha educação superior é fruto do investimento público, e acho justo retornar parte disso para a sociedade brasileira”, pondera o pesquisador, que, enquanto espera seu laboratório ficar pronto, divide com quatro colegas um escritório instalado dentro de um contêiner.

Engana-se, no entanto, quem pensa que o alto astral de Takahashi no ambiente ainda improvisado signifique apoio a uma ciência com menos recursos financeiros. “Pesquisas biológicas, em geral, são muito custosas. E o mais caro é o investimento humano. Nesse sentido, o corte nas bolsas é o mais desastroso”, diz.

O pesquisador afirma ser equivocada a ideia de que nos Estados Unidos, ao contrário do Brasil, as universidades não recebem dinheiro público. “A grande maioria dos laboratórios de pesquisa tem financiamento do governo. A maior parte do financiamento do laboratório onde trabalhava em Princeton, por exemplo, vem de verba pública.”

O ex-chefe de Takahashi no Laboratório de Desenvolvimento da Neuromecânica e Comunicação reforça essa afirmação. “É impossível realizar esse tipo de pesquisa sem dinheiro público. Quase todos aqui são financiados pelos impostos pagos pelos contribuintes através do Instituto Nacional de Saúde”, conta Asif Ghazanfar, fazendo menção ao dinheiro que seu laboratório recebe da agência ligada ao Departamento de Saúde e Serviços Humanos do país.

Um dos principais neurocientistas americanos na atualidade e ex-aluno do brasileiro Miguel Nicolelis, fundador do Centro de Neuroengenharia da Universidade de Duke, também nos Estados Unidos, Ghazanfar diz não ter se surpreendido quando Takahashi lhe contou que iria voltar ao Brasil.

 

“Eu nunca conheci um cientista brasileiro que não amasse seu país profundamente. Ele poderia escolher trabalhar em qualquer lugar, mas sempre disse que queria voltar e fazer ciência no Brasil”, diz, olhando para a porta do escritório onde o brasileiro dava expediente, ainda com seu nome afixado ali.

A poucos metros daquele local, um jovem pesquisador parece reforçar a impressão que os brasileiros causaram no cientista. Thiago Varella conseguiu ser aceito para trabalhar no laboratório de Ghazanfar quando ainda estudava ciências moleculares na USP —único curso da universidade para o qual não há vestibular, sendo que a cada ano apenas 25 alunos, entre os mais bem classificados na Fuvest, são selecionados.

Para Varella, no entanto, a ida para os Estados Unidos só foi possível graças a uma bolsa que ganhou da USP. Uma vez no laboratório e tendo Takahashi como guia, agarrou a oportunidade e, aos 23 anos, acaba de ser aceito para realizar o doutorado no Departamento de Psicologia de Princeton.

Outro que acaba de chegar é Maurício Pereira. Em 2010, exatamente quando Takahashi desembarcava em solo norte-americano, o jovem deixava para trás outros 800 candidatos para ficar com o primeiro 
lugar no vestibular para o curso de engenharia aeronáutica na USP de São Carlos, sua cidade natal. 

Pereira estudou a vida inteira em escolas públicas. Durante a graduação na USP, aproveitou a oferta de bolsas do programa Ciência sem Fronteiras e embarcou para um ano na Universidade de Vermont, 
no noroeste dos Estados Unidos.

A temporada em que enfrentou o rigoroso inverno na cidade de Burlington, porém, não foi em vão. Os contatos estabelecidos durante o intercâmbio resultaram em um convite para fazer o mestrado na instituição, que tem entre seus ex-alunos o pedagogo John Dewey, referência no campo da educação.

Finalizado o mestrado em engenharia mecânica, com a mais alta nota possível no programa, Pereira pulou direto para o doutorado em Princeton. Agora se dedica a pesquisar o uso de visão computacional e aprendizado de máquinas para monitoramento de estruturas como pontes e barragens.

Varella e Pereira ainda têm cinco anos de estudo pela frente em Pereira. Ainda é cedo para dizer se seguirão o caminho de Takahashi e voltarão ao Brasil para dar aulas. As colaborações com universidades brasileiras, no entanto, estão garantidas. 

Pereira diz ser impossível ter contato com tudo o que uma universidade norte-americana de ponta oferece sem ver brotar um sentimento de responsabilidade com os destinos da ciência brasileira. 

“No Brasil, os pesquisadores trabalham tanto quanto os daqui, mas têm que tirar leite de pedra”, comenta.
“Uma coisa é certa, seja aqui ou lá, quero contribuir com as pesquisas do Brasil”, complementa Varella.


Rodrigo Simon, jornalista, é mestre em letras pela USP, doutorando em teoria e história literária pela Unicamp e pesquisador visitante na Universidade de Princeton (EUA).

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.