Descrição de chapéu Venezuela Nicolás Maduro

Opep e Rússia anunciam aumento de produção, e petróleo despenca

Alta deve compensar perdas das sanções contra o Irã e a Venezuela

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, durante evento em São Petersburgo
O presidente da Rússia, Vladimir Putin, durante evento em São Petersburgo - Sergei Karpukhin/Reuters
David Sheppard
São Petersburgo e Londres | Financial Times

A Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) e a Rússia devem elevar sua produção de petróleo em até 1 milhão de barris ao dia, para conter uma alta que elevou os preços do petróleo a mais de US$ 80 por barril e resultou em apelos americanos por moderação.

A decisão de elevar a produção, que deve ser finalizada no mês que vem, representa uma reversão abrupta da posição do cartel e de seus aliados, que vêm reduzindo a produção desde o começo do ano passado.

A alta na produção deve substituir os suprimentos perdidos quando as sanções contra o Irã e a Venezuela entrarem em vigor.

A decisão será vista como vitória para o presidente americano Donald Trump, que no mês passado atacou a Opep por elevar "artificialmente" os preços, e que pressionou os aliados dos Estados Unidos no golfo Pérsico, entre os quais a Arábia Saudita, para garantir que os mercados de petróleo continuem bem abastecidos.

O petróleo Brent, referência internacional, fechou em queda de 3% nesta sexta (25), a US$ 76,44. O barril teve desvalorização de 2,6% na semana, a primeira desde a de 6 de abril. 

O barril WTI caiu 4% nesta sexta, para US$ 67,88, e 4,77% na semana, a primeira semanal desde a que se iniciou em 27 de abril.

"Os preços do petróleo vão cair em curto prazo, como consequência da atenuação nas restrições ao suprimento por parte da Opep", disse Ashley Kelty da consultoria Cantor Fitzgerald.

O salto para acima dos US$ 80 por barril, na semana passada, a primeira vez que essa marca foi superada desde 2014, surgiu depois do abandono pelos Estados Unidos do acordo nuclear com o Irã —o terceiro maior produtor de petróleo da Opep e arquirrival da Arábia Saudita na região—, o que resultará em sanções adicionais contra o setor petroleiro do país.

Os Estados Unidos afirmaram, ao abandonar o acordo, que estavam consultando outros produtores para garantir que os mercados fossem abastecidos, em uma referência mal disfarçada à Arábia Saudita, aliada de Washington.

Mohammed bin Salman, o poderoso príncipe herdeiro do reino, vinha pressionando os Estados Unidos por uma linha mais dura com relação ao Irã, mas o presidente americano estava preocupado com o impacto da alta nos preços da gasolina, diante do salto de mais de 50% nos preços do petróleo cru nos últimos 12 meses.

A decisão de elevar a produção veio depois de uma reunião entre Khalid al Falih, ministro saudita da energia, e sua contraparte russa Alexander Novak, em um fórum econômico em São Petersburgo na noite de ontem, onde as linhas gerais do plano de aumento na produção foram discutidas.

Falih declarou nesta sexta-feira que um ajuste da política era necessário em razão das mudanças no mercado do petróleo.

A decisão pode levar os produtores dotados de capacidade excedente a aumentar sua produção em até 1  milhão de barris ao dia —o equivalente a cerca de 1% da demanda mundial por petróleo—, ainda que o aumento possa ser mais baixo a depender de como as metas de produção forem calculadas. A Opep e a Rússia devem realizar uma reunião formal em Viena em 22 de junho.

Os dois lados enfatizaram que isso não significa o fim de sua cooperação. A Rússia, a maior exportadora mundial da commodity fora da Opep, concordou em ajudar o cartel a combater uma prolongada queda de preços no final de 2016, em um acordo parcialmente negociado entre o presidente russo Vladimir Putin e o príncipe herdeiro saudita.

A meta do acordo, envolvendo a Opep, a Rússia e alguns produtores menores de fora do cartel, originalmente era de tirar do mercado 1,8 milhão de barris de petróleo ao dia, mas ela foi excedida em mais de 150% devido à queda na produção de outros países, enquanto a Arábia Saudita realizava cortes inferiores aos negociados.

Mohammed Barkindo, secretário geral da Opep, disse que a mensagem de Trump no Twitter na semana passada havia levado o cartel a responder porque "nos orgulhamos de nossa amizade com os Estados Unidos", noticiou a Reuters.

Tradução de PAULO MIGLIACCI

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.