Ministério já discute com ANP colchão para amortecer preços de combustíveis

Grupo de trabalho convidará especialistas para buscar solução para reduzir a volatilidade de preços

Maeli Prado
Brasília

Horas após Pedro Parente entregar o cargo de presidente da Petrobras, o Ministério de Minas e Energia soltou uma nota afirmando que já iniciou conversas técnicas com a ANP (Agência Nacional de Petróleo) para elaborar o que classificou de "mecanismo de proteção ao consumidor final". 

Apesar disso, a pasta afirmou que a Petrobras tem total liberdade para definir sua própria de política de preços.

"O que o ministério de Minas e Energia colocou em debate público visa a criação para o país de uma política de amortecimento dos preços dos combustíveis ao consumidor, um mecanismo que proteja o consumidor da volatilidade dos preços dos combustíveis nas bombas. Algo fora da política de preços da Petrobrás", disse a nota, divulgada nesta sexta-feira (1).

De acordo com o ministério, uma reunião entre técnicos da pasta e da ANP ocorreu nesta sexta, e um novo encontro, com a participação de técnicos do Ministério da Fazenda, acontece nesta segunda-feira (4).

"Essa política de proteção terá que preservar a atual prática de preços de mercado para o produtor e importador, o que é tido pela atual administração como um ponto fundamental para a atração de investimentos para o setor. Vai trazer previsibilidade e segurança ao consumidor e ao investidor."

Ainda segundo a nota, um grupo de trabalho convidará especialistas do setor para construir uma solução para reduzir a volatilidade de preços.

"O grupo de trabalho vai convidar especialistas no assunto para ajudar a construir uma solução que permita, por um lado, a continuidade da prática de preços livres ao produtor/importador e, por outro, o amortecimento dos preços ao consumidor."

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.