Aneel aprova reajuste de até 40% na conta de luz em AM e RR

Novas tarifas da Amazonas Energia entram em vigor a partir de 1° de novembro

São Paulo | Reuters

A Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) aprovou um reajuste tarifário médio de 14,89% para a distribuidora de eletricidade Amazonas Energia, controlada pela estatal Eletrobras, em decisão tomada durante reunião de diretoria da reguladora nesta terça-feira (30).

As novas tarifas da distribuidora amazonense entram em vigor a partir de 1° de novembro. O impacto para os clientes residenciais será uma alta de 16,76%, enquanto clientes atendidos em alta tensão, como indústrias, devem ter elevação média de 11,78%.

A agência disse que o reajuste foi influenciado pelos maiores gastos da elétrica com a compra de energia e pelo chamado risco hidrológico —custos associados à menor produção das usinas hidrelétricas devido a questões como o baixo nível dos reservatórios, que levam ao acionamento de térmicas, mais caras.

A alta também é consequência, segundo a Aneel, da decisão judicial que impede a cobrança no Amazonas das chamadas bandeiras tarifárias, que elevam as contas em momentos de escassez de geração para lidar com os maiores custos enfrentados pelas distribuidoras —como a compra de energia térmica, por exemplo.

A agência disse que as bandeiras teriam gerado uma arrecadação extra de quase R$ 100 milhões à distribuidora, reduzindo o nível do reajuste aprovado.

0
Subestação Manacapuru, da Eletrobras Amazonas - Divulgação

RORAIMA

A conta de luz também vai ficar mais cara em Roraima. A Aneel também aprovou o aumento de 38,5%, em média, nas tarifas da distribuidora Boa Vista Energia, também da Eletrobras.

Trata-se do primeiro reajuste pedido pela distribuidora desde o recente leilão de privatização da companhia.

A empresa foi adquirida no final de agosto por um consórcio formado pelo grupo Oliveira Energia e pela distribuidora de combustíveis ATEM, mas as empresas ainda não assumiram efetivamente as operações da elétrica.

O reajuste, aprovado em reunião de diretoria da Aneel, será de 38,89% para clientes residenciais e 37% para indústrias, com entrada em vigor a partir de 1° de novembro.

Segundo a agência, a alta nas tarifas está associada a maiores custos com aquisição de energia pela Boa Vista e por uma diferença de parte do que seria o reajuste da companhia no ano passado.

A Aneel concedeu na semana passada uma aprovação prévia à aquisição da Boa Vista Energia pelo consórcio liderado pela Oliveira Energia. As empresas receberam prazo de até 120 dias para a realização da transferência do controle societário da distribuidora.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.