Crescimento do PIB chinês é o menor desde 1990

Resultado de 6,6% em 2018, entretanto, ainda ficou acima da meta definida pelo governo chinês

Pequim

A economia da China desacelerou no quarto trimestre de 2018 e atingiu o nível mais baixo em quase três décadas, conforme anunciou o órgão de estatísticas da China na madrugada desta segunda-feira (21).

Sob o peso do enfraquecimento da demanda doméstica e do aumento das taxas dos Estados Unidos, a China teve o menor crescimento desde 1990, pressionando Pequim a adotar mais medidas de estímulo para evitar uma desaceleração mais acentuada.

Sinais crescentes de fraqueza na China estão alimentando o nervosismo sobre riscos à economia mundial e pesando sobre os lucros de empresas que vão da Apple a grandes montadoras.

O PIB (Produto Interno Bruto) do quarto trimestre cresceu no ritmo mais fraco desde a crise financeira global, caindo a 6,4% na comparação com o ano anterior como esperado, de 6,5% no terceiro trimestre.

Isso levou o crescimento no ano de 2018 a 6,6%, taxa mais baixa desde 1990. O PIB em 2017 cresceu 6,8%.

Autoridades prometeram mais suporte este ano para reduzir o risco de fortes perdas de emprego, mas descartaram uma "inundação" de estímulo como aconteceu no passado, que rapidamente aumentou a taxa de crescimento mas deixou enormes dívidas.

"O governo tem meios para sustentar a economia. Eles podem expandir os gastos com infraestrutura e podem cortar a taxa de compulsório dos bancos. Então, não precisamos nos preocupar com os gastos de capital", disse Naoto Saito, pesquisador chefe do Instituto de Pesquisa Daiwa.

"Mas o problema está no consumo. Enquanto os EUA e a China se enfrentam em muitas frentes, o sentimento do consumidor parece ter sido afetado. Até agora, o crescimento sólido dos salários tem sustentado o consumo, mas agora parece haver um senso de vaga ansiedade sobre o futuro."

Com a expectativa de que leve algum tempo para que as medidas de suporte façam efeito, a maioria dos analistas acredita que as condições devem piorar antes de melhorar, e veem mais desaceleração para 6,3%  neste ano.

Apesar de uma série de medidas, os dados de dezembro divulgados junto com o PIB mostram contínua fraqueza generalizada na economia no final do ano passado.

A produção industrial acelerou inesperadamente 5,4% para 5,7%, mas foi um dos poucos pontos bons —os serviços também tiveram um crescimento mais forte.

Os dados mostraram que o investimento e as vendas no varejo continuaram a definhar, enquanto a taxa de desemprego subiu.

O investimento em ativo fixo aumentou 5,9% em 2018, o mais baixo em ao menos 22 anos, conforma a repressão regulatória sobre financiamento de risco e dívida pesaram sobre os gastos de governos locais no início do ano.

Os consumidores estão sentido a pressão. Embora o crescimento das vendas no varejo tenha acelerado marginalmente em dezembro a 8,2%, a medida de força do consumidor está em torno do patamar mais fraco em 15 anos. As vendas de automóveis no maior mercado de carros do mundo encolheu pela primeira vez desde a década de 1990.

BOLSAS

Os índices acionários chineses fecharam em alta nesta segunda-feira, com os investidores minimizando a queda no PIB, em meio a expectativas de que as autoridades fornecerão mais estímulo para sustentar o crescimento.

A desaleração ficou em linha com as expectativas e "podemos esperar mais políticas econômicas de suporte", disse Larry Hu, economista da Macquarie Capital.

O Ministério das Finanças da China anunciou na sexta-feira mais cortes de impostos para pequenas empresas como parte de um esforço para criar empregos e promover a estabilidade econômica.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.