Bolsa tem leve alta com avanço das commodities e falta de novidades na Previdência

Ibovespa sobe 0,27%; dólar tem o menor valor em duas semanas

São Paulo | Reuters

Nesta segunda-feira (8), o mercado brasileiro acompanhou o cenário exterior, sem novidades sobre a reforma da Previdência

Há expectativas de que o relatório sobre a admissibilidade da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da reforma seja apresentado na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara dos Deputados nesta terça-feira.

Também no radar estão os movimentos de articulação para a formação da base aliada do governo com vistas para o andamento do texto que muda as regras das aposentadorias.

"A semana começou com a bolsa de lado à espera de novidades sobre a reforma da Previdência, com as atenções voltadas para a sessão na CCJ amanhã", disse o operador Alexandre Soares, da BGC Liquidez, destacando também o volume menor na sessão.

O Ibovespa, índice de referência do mercado acionário brasileiro, fechou em leve alta de 0,27%, a 97.369 pontos, com giro de R$ 12 bilhões, abaixo da média diária do ano de R$ 16,42 bilhões. A bolsa foi impulsionada pela alta das commodities, que puxaram o preço de Petrobras e Vale.

O petróleo atingiu máximas de cinco meses por expectativas de que a oferta global fique apertada por conta de conflitos na Líbia, cortes liderados pela Opep e sanções dos EUA sobre Venezuela e Irã. 

Os preços de minério de ferro na China também ampliaram rumo a níveis recordes em meio a preocupações sobre o aperto na oferta.

Wall Street fechou com variações tímidas, reflexo de posições mais comedidas diante do começo da temporada de balanços corporativos nos EUA, com a queda da Boeing após corte em produção pressionando o Dow Jones.

Dólar

O dólar fechou no menor patamar ante o real em mais de duas semanas, com a ausência de novidades no front da reforma previdenciária abrindo espaço para o mercado de câmbio captar o ambiente de dólar fraco no mundo que predominou nesta sessão.

A moeda americana caiu 0,62%, a 3,8491. É o menor patamar desde 21 de março, quando a cotação fechou em R$ 3,8001.

A queda do dólar nos mercados internacionais foi atribuída à melhora do sentimento após uma série de dados mais fortes em economias desenvolvidas amenizar temores quanto a uma desaceleração da atividade ainda mais intensa que a prevista.

De acordo com o Goldman Sachs, além do dia positivo para moedas de risco, a depreciação sofrida pelo real recentemente também deixou a moeda brasileira tecnicamente mais preparada para ganhos em dias benignos.

Entre 31 de janeiro, quando o dólar bateu a mínima recente de R$ 3,658, e a máxima de R$ 3,9545 alcançada em 27 de março, a moeda americana subiu 8,08%. O real se desvalorizou 7,48%.

"O 'carry' (retorno com juros) do real é baixo em termos nominais, mas os níveis da moeda estão mais atraentes depois de algumas semanas de performance mais fraca em relação a seus pares", disseram estrategistas do Goldman em nota a clientes.

"Se o crescimento da China melhorar e os preços das commodities continuarem firmes, a moeda deverá apreciar", acrescentam os profissionais.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.