Descrição de chapéu Previdência Governo Bolsonaro

Centrão será majoritário na comissão especial que vai analisar reforma da Previdência

Comissão foi criada e teria 34 membros, mas o número foi aumentado para 49 deputados

Angela Boldrini Thiago Resende
Brasília

O governo Jair Bolsonaro precisará negociar com os partidos do centrão para aprovar sua reforma da Previdência na comissão especial. O colegiado, criado nesta quarta-feira (24), tem ao menos 21 deputados do grupo que tem pressionado o Planalto em troca de votos. 

A comissão foi criada e teria 34 membros, mas o número foi aumentado para 49 deputados. Como a votação é por maioria simples, são necessários ao menos 25 votos (caso haja todos os presentes, o que costuma ser o caso em projetos polêmicos) para que a proposta seja aprovada.

Ainda falta, porém, a instalação, que deve ser feita na próxima semana segundo o secretário da Previdência, Rogério Marinho.

Para isso, é preciso que os partidos indiquem ao menos 25 membros. A partir da instalação começam a correr os prazos de tramitação: são 10 sessões para apresentar emendas, e no total 40 sessões para a votação. 

A comissão especial é a segunda fase da tramitação da reforma de Bolsonaro, que foi aprovada na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) nesta madrugada

É nesta etapa que serão negociados pontos de mudança do texto. Os partidos da maioria já se posicionaram contra as mudanças na aposentadoria rural e no benefício pago a idosos miseráveis, mas a desidratação pode ser maior. 

O centrão, grupo composto por partidos com PP, PR, PSD, MDB, PRB, DEM e Solidariedade, tem demonstrado insatisfação com a articulação do governo e já impôs derrotas ao Planalto para mostrar força política. 

Eles devem ficar com a presidência da comissão especial e, possivelmente, com a relatoria, que ainda não foi decidida. Os dois concorrentes mais fortes, até o momento, são Eduardo Cury (PSDB-SP), ligado ao secretário especial, e Pedro Paulo (DEM-RJ), ligado ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). 

A Folha mostrou que o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, ofereceu R$ 40 milhões em "emendas extraorçamentárias" por deputado que vote a favor da reforma, diluídos em quatro anos de mandato. 

No entanto, o acordo não foi fechado e as negociações continuam.

O PSL de Jair Bolsonaro, maior bancada da Casa ao lado do PT, tem cinco vagas na comissão. O Novo, declaradamente a favor da reforma, já apontou o titular: o deputado Vinicius Poit (SP).

Na oposição, são nove os membros do bloco formado por PT, PSB, PSOL e Rede. Eles devem contar com reforço ainda de dois do PDT, um do PC do B  e um do Pros, que também têm se manifestado de maneira contrária à reforma.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.