FMI libera mais US$ 10,8 bilhões em socorro à Argentina

Governo fechou acordo com órgão internacional em 2018 em meio à pior recessão

Buenos Aires | Reuters

O conselho-executivo do Fundo Monetário Internacional (FMI) destravou US$ 10,8 bilhões em financiamento para a Argentina nesta sexta-feira (5). A entidade concluiu hoje a terceira revisão dos progressos econômicos argentinos desde o ano passado, quando fechou um acordo de US$ 56,3 bilhões com o governo para socorrer o país de uma grave recessão.

Christine Lagarde e Mauricio Macri posam para foto em frente a fundo azul.
A Diretora-Gerente do FMI (Fundo Monetário Internacional), Christine Lagarde, e o presidente argentino Mauricio Macri. - Kevin Lamarque/Reuters

Segundo a instituição, há sinais de que a economia argentina tenha chegado "ao fundo do poço". No mês passado, a disparada do dólar teve forte impacto sobre o peso argentino. A moeda americana fechou a cotação de hoje em 43,86 pesos.

Em 2018, a economia argentina, terceira maior da América Latina, foi arrasada pela inflação desenfreada e pelo colapso do peso, que perdeu metade de seu valor em relação ao dólar. O país vive hoje um estado de "estagflação" – inflação acelerada com altas taxas de desemprego.

A economia brasileira também sofre com a recessão argentina, sobretudo nas exportações. Em relatório divulgado na última quinta-feira (4), o Banco Mundial projeta um crescimento de apenas 0,9% do PIB da América Latina em 2019, citando a crise na Argentina como um dos fatores negativos.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.