Greve dos caminhoneiros não é bom para ninguém, diz líder do governo

Líder do governo defendeu decisão de Bolsonaro de intervir no aumento do diesel

Brasília | Reuters

A líder do governo no Congresso, deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), afirmou nesta segunda-feira (15) que "obviamente" não é bom para ninguém uma eventual greve dos caminhoneiros e defendeu a decisão do presidente Jair Bolsonaro de ter atuado diretamente para suspender o aumento no reajuste de 5,7% no preço do óleo diesel nas refinarias na semana passada.

"O presidente é absolutamente responsável pelas decisões que tomou. Se ele tomou essa decisão, ele sabe o que está fazendo. Não cabe à líder do governo questionar posição do presidente da República, estou aqui para servir", disse Joice, em entrevista na chegada do Palácio do Planalto para uma reunião com o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

00
A líder do governo no Congresso, deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) - Pedro Ladeira-08.mar.19/Folhapress

Onyx participou nesta tarde de uma reunião com os ministros Bento Albuquerque (Minas e Energia), Tarcísio Freitas (Infraestrutura), Paulo Guedes (Economia), e os presidentes do BNDES, Joaquim Levy, e da Petrobras, Roberto Castello Branco, além dos ministros Carlos Alberto Santos Cruz (Secom) e Floriano Peixoto (Secretaria-Geral) para discutir a política de preços do diesel para os caminhoneiros.

Hasselmann  afirmou que o presidente está abrindo um canal de interlocução e disse tê-lo visto "bastante preocupado" com o reajuste do diesel que poderia impactar a inflação. Ela disse que ele quer ter todos os números na mesa para avaliar se o eventual aumento é justo. "Tenho certeza absoluta, e vocês podem ter certeza, de que não haverá política intervencionista neste governo", frisou.

Questionado se a decisão de suspender o reajuste estaria atrelada a uma ameaça de greve de motoristas, Joice respondeu: "Não vou dizer para você que pesa A, B ou C. Não é bom para ninguém obviamente uma greve dos caminhoneiros. É óbvio que não, todos saem no prejuízo, inclusive a categoria dos caminhoneiros", disse.

"Tudo se resolve com diálogo. Os caminhoneiros, a grande maioria, está com o governo, podemos conversar, dialogar, então se a gente tensionar de uma forma a excluir o diálogo, estamos perdidos. Cabe ao governo dialogar, mas cabe também à categoria dos caminhoneiros dialogar...Estamos numa democracia", disse.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.