Avianca Internacional vai fazer propaganda para se afastar da Avianca Brasil

Aérea colombiana lançará publicidade para dizer que está melhor que brasileira

Ivan Martínez-Vargas
São Paulo

Em um esforço para se desvencilhar da imagem combalida da Avianca Brasil, a Avianca Internacional deverá lançar em três semanas uma campanha publicitária no país, com anúncios de TV, na imprensa e em outdoors em aeroportos.

A ideia, segundo pessoas familiarizadas com a situação, é tentar mostrar que, diferentemente da irmã brasileira, que está em recuperação judicial, não paga a funcionários e acumula mais de R$ 2,7 bilhões em dívidas, a aérea seria uma empresa saudável e sem problemas operacionais.

A companhia, que tem origem colombiana, é controlada pelo grupo Sinergy, dos irmãos Germán e Jose Efromovich. A holding também controla a Avianca Brasil. Procurada, a Avianca Holdings não se manifestou.

O Sinergy é dono ainda dos estaleiros Mauá e Eisa, ambos em recuperação judicial.

Germán Efromovich é presidente do conselho de administração da Avianca Holdings, que tem capital aberto na Nyse (a Bolsa de Valores de Nova York). José tem assento no conselho da aérea colombiana e preside o da Avianca Brasil.

Apesar de se manter no azul, a Avianca Holdings lucrou US$ 1,14 milhão (R$ 4,55 milhões no câmbio atual) no ano passado, 99% a menos que os US$ 82 milhões em 2017.

As ações da empresa também perderam 57% do valor de mercado no último ano. A marca tem cortado custos e eliminado rotas menos rentáveis, como as domésticas em países como o Peru. Na Colômbia, seu principal mercado, cancelou 11 rotas no início do mês.

A companhia aérea também adiou o recebimento de 35 de 100 aeronaves que compraria da Airbus e cancelou a aquisição de 17 delas. Em meio à perda de valor de mercado, o então presidente da companhia, Hernán Rincón, pediu demissão no fim de abril.

A Avianca Holdings, que opera em 27 países, ainda mantém acordos com a brasileira em atividades como o atendimento a passageiros nos três aeroportos brasileiros em que detém rotas (Guarulhos, Galeão e Porto Alegre).

A brasileira também é a representante comercial da colombiana no Brasil. A companhia internacional, porém, quer encerrar os contratos assim que possível. Para isso, enviou executivos ao Brasil para negociar com agências de viagem e fornecedores.

A marca pretende verticalizar a representação comercial no país, segundo pessoas familiarizadas com a empresa. Na rede social LinkedIn, já há vagas anunciadas, como a de gerente de vendas. A base da operação será São Paulo.

Apesar do dano de imagem causado pelo debacle da Avianca Brasil, a ocupação dos voos internacionais da Holdings tem se mantido próxima dos 80%.

As vendas para voos com partidas ou destinos brasileiros representam hoje cerca de 8% do faturamento global da companhia, que foi de US$ 4,9 bilhões (o equivalente hoje a R$ 19,57 bilhões) em 2018.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.