BRF e Marfrig encerram discussões e desistem de fusão

Gigantes de alimentos não chegaram a acordo sobre governança da empresa combinada

Filipe Oliveira
São Paulo

A BRF informou em fato relevante nesta quinta-feira (11) que decidiu junto a Marfrig interromper as discussões sobre uma combinação dos negócios.

O acordo entre as duas, que criaria a quarta maior empresa de carnes do mundo, vinha sendo negociado desde o final de maio.

A empresa que surgiria da combinação delas poderia alcançar cerca de R$ 80 bilhões de receitas e um ebitda (medida de geração de caixa) de R$ 7 bilhões.

No comunicado, a BRF diz que as duas companhias não chegaram a um acordo sobre como se daria a governança da companhia formada após a fusão.

Uma pessoa próxima ao caso apontou que as duas companhias possuem estrutura societária muito diferente, o que dificultou o acordo.

Enquanto a BRF, resultado da união das empresas Sadia e Perdigão, tem seu controle disperso entre investidores, a Marfrig é controlada por Marcos molina, seu fundador e presidente, que, caso se concretizasse a fusão, se tornaria o principal acionista individual da nova empresa.
Ao lado de Molina, o BNDES possui quase 34% das ações da Marfrig e é seu segundo maior acionista.

Na BRF, os sócios mais relevantes são os fundos de pensão Petros (da Petrobras), e Previ (Banco do Brasil). Também são acionistas o fundo Tarpon e o empresário Abilio Diniz.

A BRF disse que será mantida a relação comercial que já possui com a Marfrig sem qualquer alteração.

A administração da Companhia disse no fato relevante reforçar o seu comprometimento em implementar as diretrizes do Plano Estratégico e continuar avaliando oportunidades de negócios que possam gerar valor para seus acionistas. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.