Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Ex-presidentes do IBGE protestam contra mudanças no Censo

Últimos presidentes do instituto divulgaram carta com críticas aos cortes no questionário e pediram apoio de políticos

Diego Garcia
Rio de Janeiro

Quatro ex-presidentes do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) —Eduardo Nunes, Wasmália Bivar, Paulo Rabello de Castro e Roberto Olinto— protestaram contra as mudanças no Censo Demográfico 2020, nesta segunda-feira (15).

O evento foi na livraria Leonardo da Vinci, no centro do Rio de Janeiro.

Um quinto ex-presidente da entidade, Eurico Borba, apesar de não ter comparecido ao ato, assina carta aberta divulgada pelo grupo.

A iniciativa faz parte da campanha Todos Pelo Censo, organizada por funcionários do IBGE.

Em nota, o IBGE afirmou que "respeita a manifestação de todos os interessados no Censo Demográfico 2020, muito especialmente de ex-presidentes da Instituição". 

Presidente do IBGE entre junho de 2017 e abril de 2018, durante o governo Michel Temer (MDB), Paulo Rabello de Castro atacou o governo pela iniciativa.

Ex-presidentes do IBGE protestam contra mudanças no Censo
Os ex-presidentes do IBGE Eduardo Nunes, Wasmália Bivar, Paulo Rabello de Castro e Roberto Olinto protestaram contra mudanças no Censo no Rio. - Diego Garcia/Folhapress

“Neste governo não estamos mais acostumados a cumprir a lei. O IBGE sabe quantas perguntas tem de colocar dada a parcimônia com que sempre atua para economizar as verbas do contribuinte", afirmou.

Ele afirmou que o governo é totalitário e destitui a inteligência da sociedade brasileira.

"Por que não fechar o IBGE? Sejamos homens e corajosos, já que dizem ser um governo de homens. Vamos fritar esse hambúrguer, jogar o queijo por cima. Não queiram depois os prefeitos saberem quanto é a população de suas cidades. Esse governo passará", disse.

Rabello de Castro criticou o governo por pedir ao Congresso crédito suplementar extra de R$ 248 bilhões.

"[O governo] Tem a desfaçatez de, em uma única execução, esquecer de pedir R$ 2 bilhões a
R$ 3 bilhões para realizar todo o levantamento estatístico da qual o Brasil está acostumado. Existe um pensamento iconoclasta. Nossa estima está jogada no chão. O que mais querem fazer com a autoestima do brasileiro?"

"Por que esse pessoal não começa a governar o Brasil em vez de desgovernar? Esse povo está de brincadeira! Eu jamais entraria em um avião se soubesse que eles são os pilotos”, disse Rabello de Castro.

“Nossa questão é de princípios. Propor individualmente, uma pessoa propor um novo questionário sem ouvir a sociedade e os técnicos me parece mais uma improvisação, isso nunca aconteceu na história do IBGE”, disse a economista Wasmália Bivar, presidente do instituto de 2011 a 2016, durante o governo Dilma Rousseff (PT).

No começo de julho, os questionários do Censo foram divulgados com cortes em questões como rendimento, migração e posse de bens, entre outras.

O questionário básico, aplicado a 90% dos cerca de 71 milhões de domicílios brasileiros, ficou com 26 questões, oito a menos do que em 2010.

Já o questionário completo, aplicado aos 10% restantes, foi reduzido de 112 para 76 perguntas.

A polêmica sobre os questionários ganhou força no início deste ano, após a chegada da economista Susana Cordeiro Guerra à presidência do IBGE.

Em sua posse, o ministro da Economia, Paulo Guedes, criticou o tamanho do censo brasileiro e determinou corte de custos.

“Isso começou com uma falsa informação do ministro de que tinham mais de 300 perguntas, 360 perguntas. Nunca houve isso", disse Nunes, presidente do IBGE de 2003 a 2011, nos governos Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

"Eram em torno de 130 perguntas, a proposta inicial reduziria para 112 perguntas, transformadas pelos técnicos”, afirmou.

“Pelo menos 10 milhões de domicílios devem ficar de fora [do novo Censo]. Quem não conhece seu presente desconhecerá seu futuro. O IBGE não poderá ser responsabilizado pelos prejuízos que essa gestão trará ao Brasil. Ficaremos dez anos no escuro”, disse Nunes. 

A pesquisa estava orçada inicialmente em R$ 3,4 bilhões. Ao assumir, Guerra pediu que o valor fosse diminuído em 25%.

Ela defende que a redução do questionário não tem relação com os cortes de Orçamento e que não há perda de informação —para ela, as mudanças vão melhorar a qualidade da pesquisa. 

“Existe uma proposta elaborada por três anos, estava fechada dentro do IBGE, a nova direção assumiu com pequenas questões de redução. A diretoria de pesquisa fez uma proposta, foi discutida, teve uma segunda proposta dentro do que era razoável para reduzir, a direção não se interessou, teve uma terceira proposta de forma fechada", disse Olinto, presidente do IBGE de junho de 2017 a dezembro de 2018.

"Houve abertura em que se discutiu uma proposta racional, a decisão foi do diretor e da presidente apenas.” 

Apesar das pressões de sindicatos e servidores, Guerra afirma que o tamanho do questionário não será mudado e a questão é "página virada”.

O IBGE ainda não divulgou o custo final. No segundo semestre, os questionários serão aplicados a moradores de Poços de Caldas (MG) de forma experimental.

A pesquisa, que visita todos os 5.570 municípios brasileiros, será realizada no segundo semestre de 2020.

Em nota, o instituto disse que "cumpre reiterar que o questionário do Censo, tanto na presente operação como nos levantamentos censitários anteriores, foi objeto de amplo debate interno e no âmbito da Comissão Consultiva do Censo Demográfico, seguindo os ritos e praxes institucionais, e que todas as decisões relacionadas a esta matéria foram tomadas pelos gestores responsáveis em função mediante o debate, a avaliação de diferentes visões e propostas e a consideração das variáveis mais relevantes".

Sobre a carta dos ex-presidentes, o IBGE afirmou que "agradece a legítima manifestação e reforça seu compromisso para a realização do melhor Censo em 2020, contando com o apoio de todos".

Para técnicos e especialistas, a retirada de perguntas sobre renda, aluguel e migração internacional do questionário básico podem afetar os resultados finais.

Os ex-presidentes do IBGE que se reuniram nesta segunda pediram a manutenção das perguntas que foram retiradas do Censo, lembrando que a atitude contraria as orientações dos técnicos do IBGE. 

Eles criticam a atual gestão do instituto e pedem manifestação e apoio de prefeitos, vereadores e deputados por um Censo completo e de qualidade.

Para os ex-presidentes do instituto, os cortes vão causar impactos no planejamento de políticas públicas locais.

Uma semana após o anúncio das mudanças, o MPF (Ministério Público Federal) pediu ao IBGE explicações.

Em ofício enviado a Susana Cordeiro Guerra, a procuradora federal da área de Direitos do Cidadão, Deborah Duprat, solicitou esclarecimentos sobre a redução do questionário.

Confira, abaixo, a carta divulgada pelos ex-presidentes do IBGE

“Aos brasileiros e brasileiras 
 
Esta carta é endereçada a cada pessoa entre nossos 209 milhões de habitantes. Ela versa, por assim dizer, sobre o "álbum de fotografias" da família brasileira. Que álbum é esse? O Censo da população brasileira, ou seja, a fotografia atualizada do Brasil e dos brasileiros, a ser realizada em agosto de 2020. Já estamos em cima da hora para o próximo censo demográfico e sua realização impecável é de fundamental importância para todos nós e para nosso futuro. A foto que ele revelará nos mostrará os brasileiros e a família brasileira de corpo inteiro, com inúmeros aspectos fundamentais para todo agente transformador e inovador da sociedade brasileira.
 
Quem assina esta mensagem são presidentes do IBGE em vários períodos distintos da história grandiosa desse instituto de estatística e geociências. Nossas experiências variadas e importantes à frente do IBGE nos credenciam para expressar extrema preocupação com os rumos que tomaram as recentes posições do Governo Federal e da direção atual do IBGE frente ao desafio de se preparar e realizar uma operação que mobiliza cerca de 200 mil recenseadores sobre o imenso território do País. A eles cabe o importante papel entrevistar cada família brasileira para, em seguida, organizar, processar e disponibilizar o gigantesco arquivo de informações do Censo. O desafio de coordenação e execução do Censo 2020 é enorme. Todos devem estar alinhados com este grande objetivo e remar juntos, na mesma direção.
 
Tudo na vida depende de atitude. Desde pequenas ações até grandes missões dependem, em última linha, da atitude de quem as promove. O sucesso decorre, sobretudo, de atitude positiva. Uma postura negativa enseja dúvida e dela sobrevém, em geral, o fracasso. E reconheçamos: a atitude do atual governo, secundada por seu ministro da Economia e não refreada pela atual presidente do IBGE, tem sido de dúvida e de negação à capacidade de concepção e realização do Censo 2020 por este que é um dos órgãos de mais irretocável reputação e confiabilidade do Estado brasileiro.
 
Como produto do Estado brasileiro, e instrumento indispensável para a sua ação em inúmeras áreas essenciais para a vida do povo brasileiro, é necessário que o governo assuma que a realização do censo, com relevância e qualidade, é prioridade e que reconheça, finalmente, que o IBGE detém capacidade técnica e tenha a atitude de garantir o suporte financeiro para sua execução no próximo ano. A atitude de todos os envolvidos deve ser positiva e motivadora. Assim se comanda uma equipe, um órgão de Estado, e assim se deve comandar um país. Com atitude.
 
Não há - nem pode haver - qualquer tipo de improvisação como, infelizmente, se tem presenciado na orientação para a execução do censo. Há poucos dias, por exemplo, foi passado um cheque especial do Congresso para o Ministério da Economia. O cheque é de "apenas" R$ 248 bilhões. Várias liberações de gastos relevantes foram acordadas com o Executivo. Por que não foi incluída aí, desde logo, a verba para a aceleração dos trabalhos preliminares ao censo? Um décimo de 1% dos R$ 248 bilhões - ou seja, R$ 248 milhões - já seriam mais do que suficientes para garantir o empurrão que o IBGE precisa neste momento para começar a selecionar, contratar e treinar seus recenseadores; adquirir os tablets com os quais as entrevistas nas residências do Brasil inteiro serão feitas; e definir os meios de deslocamento do pessoal. Isso seria atitude. Ainda há tempo de mudar e melhorar!
 
O próximo censo pode se realizar de modo econômico e eficiente. Mas eficiência não rima com improvisação técnica. Quem sabe o que entra e o que deve ficar nos questionários do censo é o pessoal do IBGE. Os servidores do órgão são pagos e treinados para isso. Por causa disso, esses ibegeanos são considerados entre os mais capacitados e bem preparados do mundo.
 
O conteúdo do censo deve expressar as necessidades da sociedade. Os funcionários do IBGE trabalham cotidianamente em contato com os diversos interessados nas mais diferentes áreas para atender essas demandas. Eles conhecem aquilo que é prioritário, pois além das consultas específicas do censo passam suas vidas profissionais em contato com os acadêmicos, formuladores de política, organizações da sociedade civil, órgãos governamentais etc. ligados às suas áreas de atuação.  Tudo isso é parte integrante de seu trabalho, assim como acompanhar e participar das reflexões, evoluções e inovações internacionais
 
Por isso, o IBGE é referência mundial em matéria de boa realização técnica de pesquisas de muito grande porte. O IBGE nunca brincou em serviço. Fere o zelo e a autoestima de todos os servidores ver seu trabalho posto em questão sem qualquer base científica para tal. Mais uma vez, deve prevalecer uma mudança de postura e atitude por parte das autoridades se não quiserem ver aprofundar mais ainda a evasão dos quadros mais experientes do IBGE que, por já terem adquirido direito a suas aposentadorias, vêm deixando suas posições no instituto. Não existe vitória em uma guerra sem generais experientes e soldados muito motivados. E o censo, por natureza, exige a mobilização do bom combate em busca das informações de que o Brasil tanto precisa.
 
Finalizamos esta mensagem com um pedido de mobilização, não só de pessoas que esperam os dados do censo brasileiro para atualizar suas pesquisas em todas as universidades do Brasil e do mundo. Começamos por lembrar dos prefeitos, vereadores e deputados. Todos esses políticos vêm ao IBGE pedir a atualização dos dados da população dos seus municípios. Com essas informações essenciais é que se realiza a repartição de impostos no Brasil. E o último dado está mais do que velho, data de 2010. Onde estão as associações e federações de municípios que ainda não exigiram do governo apoio irrestrito ao Censo 2020? E onde estão os senhores deputados e deputadas? E os senadores e senadoras? Com que dados sobre o Brasil os parlamentares legislam?
 
E as secretarias de educação, de segurança pública, de saúde e de transporte, de habitação, de Estados e municípios, com que dados planejarão suas ações sem o censo? E para não ir mais longe, como os planejadores de vendas de todas as empresas brasileiras farão seus negócios Brasil afora, sem dados da população e de suas condições econômicas e sociais? Tudo isso, e muito mais, depende do censo.
 
Não realizar de modo correto e profissional o próximo censo é mais do que desafiar o bom senso: é provocar o castigo que vem com o triunfo da ignorância.
 
O Brasil inteligente e organizado, o Brasil democrático e livre, pode e deve reagir.
 
Ainda há tempo para virar esse jogo.
 
Rio de janeiro, 15 de julho de 2019.
 

Carta divulgada pelos ex-presidentes do IBGE

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.