BC anuncia primeira venda de dólares à vista desde a crise de 2009

Instituição irá vender diariamente até US$ 550 milhões a partir de 21 de agosto

Eduardo Cucolo
São Paulo

O Banco Central anunciou nesta quarta-feira (14) que irá vender dólares à vista das suas reservas internacionais, algo que não acontecia desde 3 de fevereiro de 2009.

A autoridade monetária também irá oferecer ao mercado contratos de swap cambial, mas avaliou que esse instrumento não atenderia sozinho à demanda por moeda estrangeira gerada pela “conjuntura econômica atual”.

Nesta quarta, a moeda americana fechou o dia cotada a R$ 4,0410, alta de 1,78%, no maior patamar desde 23 de maio, período que havia sido turbulento para investimentos, após dados econômicos decepcionantes da China e da Alemanha espalharem uma nova onda de pessimismo pelos mercados financeiros.

Da próxima quarta-feira (21) até o dia 29, o BC fará uma série de operações com objetivo de rolar uma parcela dos contratos de swap que vencem em 1º de outubro (US$ 3,8445 bilhões), parte por meio dos mesmos contratos e parte por meio de dólar à vista.

O BC irá vender diariamente até US$ 550 milhões à vista e, simultaneamente, irá comprar o mesmo valor em dólares no mercado futuro, por meio de operação conhecida como swap reverso.

Se a demanda for inferior a esse valor, o BC complementar a operação com a oferta de contratos de swaps, operação que equivale à venda de dólares no mercado futuro.

As reservas do BC somam hoje US$ 388 bilhões. Como a venda de dólares está limitada a US$ 3,8445 bilhões, o valor ofertado não irá ultrapassar 1% das reservas.

“Considerando a conjuntura econômica atual, a redução na demanda de proteção cambial (hedge) pelos agentes econômicos por meio de swaps cambiais e o aumento da demanda de liquidez no mercado de câmbio à vista, o Banco Central do Brasil comunica que, para efeito de rolagem da sua carteira de swaps, implementará a oferta de leilões simultâneos de câmbio à vista e de swaps reversos”, diz a instituição em nota.

Segundo o BC, a atuação não altera sua política cambial, pautada no câmbio flutuante, sem prejuízo da atuação da autarquia em busca da manutenção do regular funcionamento do mercado.

“Trata-se de aperfeiçoamento no uso dos instrumentos à sua disposição para atuação no mercado de câmbio, como parte da Agenda BC#, tendo em conta as condições presentes neste momento no mercado.”

Em sua Agenda BC#, que reúne as prioridades da instituição, o BC já havia colocado entre as ações reavaliar e aperfeiçoar os instrumentos de atuação no mercado de câmbio e na gestão das reservas internacionais, visando o bom funcionamento do mercado.

O economista Juan Jensen, da consultoria 4E, afirma que o valor ofertado é baixo em relação ao estoque das reservas e que o BC age corretamente ao identificar demanda por recursos no mercado à vista.

“É uma mudança de postura em relação ao que vinha sendo feito, mas se há uma demanda por dólar à vista não vejo problema. O nível das reservas é mais que suficiente para as necessidades brasileiras. Nesse nível de venda, não dá para dizer que há uma mudança de gestão de política cambial”, diz o economista.

Jensen afirma que o custo de carregamento das reservas caiu muito nos últimos anos, por conta da redução das taxas de juros no Brasil, mas que o nível das reservas ainda é considerado além do necessário por alguns especialistas.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.