3,3 milhões de desempregados buscam trabalho há dois anos, diz IBGE

Registro é o maior para um trimestre desde 2012; taxa de desocupação recuou no segundo trimestre para 12%

Diego Garcia Marina Estarque
Rio de Janeiro e São Paulo

Um quarto dos desempregados do Brasil, ou 26,2%, o equivalente a 3,347 milhões de pessoas, estão em busca de emprego há pelo menos dois anos,  divulgou nesta quinta-feira (15) a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Trimestral (PNAD Contínua) do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). 

O registro é o maior para um trimestre desde 2012. Em um ano, houve um acréscimo de 196 mil pessoas no total das que procuram emprego há dois anos ou mais. Em 2015, esse total era de 1,435 milhão de pessoas. 

“A proporção de pessoas a procura de trabalho em períodos mais curtos está diminuindo, mas têm crescido nos mais longos. Parte delas pode ter conseguido emprego, mas outra aumentou seu tempo de procura”, disse a analista da pesquisa, Adriana Beringuy.

A maior parte, 45,6%, dos desocupados estavam de um mês a menos de um ano em busca de trabalho; 14,2%, de um ano a menos de dois anos e 14,0%, há menos de um mês.

Para economistas consultados pela Folha, o número, de 3,347 milhões de pessoas, preocupa. 

"Surpreende porque a taxa de desemprego caiu entre o primeiro e o segundo semestre, então chama atenção que o de longo prazo está na contramão. Pode ser que esse número continue aumentando", diz o economista Bruno Ottoni, pesquisador associado da FGV IBRE e da consultoria Idados.

O economista Cosmo Donato, da LCA consultores, afirma que o número é alto e está ligado à duração da crise. "A economia não reage, não consegue gerar postos de trabalho, e o tempo que as pessoas passam procurando emprego aumenta".

Quanto maior o período fora do mercado, maior é a dificuldade de reinserção, afirmam os economistas. Isso porque o desempregado de longo prazo fica desatualizado e, em um ambiente de muita concorrência, precisa competir com pessoas mais qualificadas, que acabaram de sair de outro emprego ou de uma instituição de ensino. 

"É um problema que se retroalimenta. A pessoa fica cada vez mais 'sucateada'", diz Donato. 

Ottoni destaca que "buracos no currículo" de mais de seis meses costumam ser mal vistos pelos empregadores. O economista diz que o trabalhador esquece o funcionamento dos processos e até as habilidades socioemocionais. 

"É um círculo vicioso. A pessoa desaprende até a comunicação, a linguagem comum do ambiente de negócios, e precisa passar por uma reciclagem. Esse capital humano tem uma depreciação", diz.

Daniel Teixeira, diretor do Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades (Ceert), alerta que o desemprego impacta mais mulheres, negros e jovens. “Isso está ligado aos processos históricos de exclusão. Em um momento em que há uma ameaça de crise mundial, precisamos lembrar o quanto o impacto da crise é desproporcional”, afirma.

Os economistas concordam, entretanto, que uma alta taxa de desemprego de longo prazo, no momento, não deve afetar uma retomada econômica, porque ainda há muita oferta de mão de obra disponível. 

"Mas, se isso continuar por muito tempo, a gente pode observar um movimento de histerese. No mercado de trabalho, isso significa que pessoas vão sair definitivamente da força de trabalho. O país perde essa mão de obra, o que afeta o crescimento a longo prazo", diz Donato. ​

Pessoas observam ofertas de emprego no centro de São Paulo. - Danilo Verpa-29.jun.2016/Folhapress

Já a taxa de desocupação recuou no Brasil no segundo trimestre de 2019 para 12%, 0,7 pontos percentuais a menos que os primeiros três meses do ano. Com relação ao mesmo trimestre de 2018, a diminuição foi de 0,4 ponto percentual.

De acordo com o IBGE, a taxa de desocupação recuou em 10 estados. A retração foi mais forte na Bahia (17,3%), Amapá (16,9%) e Pernambuco (16%). A retração foi menor em Santa Catarina (6%), Rondônia (6,7%) e Rio Grande do Sul (8,2%).

O percentual de pessoas desocupadas, subocupadas por insuficiência de horas trabalhadas e na força de trabalho potencial em relação a força de trabalho ampliada  (chamada taxa composta de subutilização da força de trabalho) foi de 24,8%, anunciou o IBGE. 

Já os desalentados, aqueles que desistiram de procurar emprego no segundo trimestre, somaram 4,9 milhões de pessoas. O percentual de pessoas desalentadas na força de trabalho foi de 4,4%, recorde da série histórica.

"O elevado tempo de procura por emprego é um dos fatores que ajudam a explicar o desalento", analisou o IBGE. A Bahia tem o maior número de desalentados, 766 mil pessoas, seguida do Maranhão, com 588 mil.

“É uma inferência que pode favorecer inserções em ocupações de menores rendimentos, sem vínculos formais, como os conta própria ou sem carteira de trabalho, e até mesmo no desalento”, explicou a analista da PNAD Contínua.

 
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.