Gigante da carne, Marfrig produzirá hambúrguer vegetal no Brasil

Produto é desenvolvido em parceria com empresa americana e deve ser lançado até o fim do ano

Mariana Grazini
São Paulo

A Marfrig vai anunciar, nesta terça-feira (6), um acordo com a empresa americana agrícola ADM (Archer Daniels Midland Company) para produzir hambúrguer vegetal no Brasil.

O produto deverá chegar ao mercado nacional até o fim deste ano, segundo a Marfrig.

Ele será feito na unidade da empresa em Várzea Grande (MT). 

Parte da base vegetal do hambúrguer sairá da fábrica da ADM, em Campo Grande. A ADM é uma das maiores processadoras agrícolas do mundo.

Eduardo Miron, presidente da Marfrig em uma conferência em São Paulo
Eduardo Miron, presidente da Marfrig em uma conferência em São Paulo - Reuters

Além de participar da produção, a Marfrig ficará responsável por distribuir e vender o produto para restaurantes e para o varejo. 

De acordo com a empresa brasileira, o hambúrguer vegetal poderá, no futuro, ser exportado.

A parceria visa o desenvolvimento de outros alimentos sem origem animal. A Marfrig desponta entre as principais empresas do mundo no setor de carne bovina. Abre agora seu leque de produtos.

“Queremos dar ao consumidor o poder da escolha. É ele quem decide”, diz Eduardo Miron, presidente da empresa brasileira.

“O acordo com a Marfrig reforça o propósito de incentivar o desenvolvimento sustentável da indústria de alimentos,” afirma Roberto Ciciliano, presidente da ADM na América Latina.

Segundo informações da Marfrig, uma marca específica para abarcar os produtos de base vegetal também será anunciada.

Concorrente da Marfrig, a Seara, da JBS, lançou uma versão do produto em maio deste ano feito de soja não transgênica, beterraba, alho e cebola.

De acordo com a empresa, dois anos de pesquisa foram necessários para chegar à versão final.

A BRF, dona das marcas Sadia e Perdigão, ainda não comercializa o hambúrguer vegetal.

Fábio Bagnara, diretor de pesquisa e desenvolvimento do conglomerado, afirmou que estudos estão sendo feitos para lançar itens de proteína vegetal à base de ingredientes como soja, ervilha e feijão.

“A gente vê que o consumidor está interessado e curioso em provar novos sabores,” diz ele.

Os estudos feitos pela empresa visam também neutralizar o sabor da soja. “Até 2023, esperamos que 10% de nossa receita venha de novos produtos,” afirma o diretor da BRF.

Recentemente, a Marfrig e a BRF enceraram, sem êxito, um processo de fusão das companhias. Se o negócio tivesse vingado, as empresas formariam a quarta maior companhia de proteína animal do mundo.

A corrida pelo hambúrguer vegetariano é tendência no mercado dos Estados Unidos. Uma das marcas americanas do setor, a Beyond Meat, abriu seu capital em maio.

A Tyson Foods, empresa americana de processamento de carnes, confirmou, em seguida, que lançaria um produto proteico sem carne.

O McDonald’s começou a vender um hambúrguer vegetal na Alemanha e o Burger King anunciou que sua versão do produto poderia chegar às unidades americanas até o fim deste ano.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.