Não vimos mudança dos EUA sobre entrada do Brasil na OCDE, diz secretário da organização

Ludger Schuknecht não confirmou nem negou a existência da carta

Ivan Martínez-Vargas
São Paulo

O secretário-geral adjunto da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), Ludger Schuknecht, afirmou nesta quinta-feira (10) que não tem notícia de uma possível mudança na posição do governo Trump de apoiar a entrada do Brasil na organização.

Ao ser questionado pela Folha sobre reportagem da agência de notícias Bloomberg sobre uma carta do secretário de Estado americano, Mike Pompeo, que se oporia ao ingresso do Brasil na OCDE, disse que "os Estados Unidos já deixaram clara sua posição [de apoio à candidatura brasileira à organização] e não tenho evidências de que ela haja mudado".

O secretário não confirmou nem negou a existência da carta. 

"O Brasil é o nosso parceiro-chave mais avançado, já está enquadrado em muitos de nossos padrões, já participa de comitês da OCDE. Há muito apoio à entrada do país na organização. Agora, o processo político precisa ser finalizado, depende dos países-membros [a aprovação]", disse, sem detalhar prazos.

Segundo Schuknecht, Argentina, Romênia, Bulgária e Croácia também pleiteiam a entrada na organização. Colômbia e Costa Rica, diz, estão em processo de incorporação.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.