Fundo de maconha ganha versão light para investidores do varejo

Carteira tem 20% de seus recursos alocado no fundo original, que caía mais de 10% nesta terça-feira (19)

São Paulo

O fundo temático de canabidiol, lançado em outubro, ganhou uma versão mais leve para abranger os investidores do varejo. O fundo Canabidiol Light passa a valer a partir desta terça-feira (19) e terá 20% da sua carteira investida no fundo original e os 80% restantes em títulos de renda fixa pós-fixados.

De acordo com o sócio fundador da Vitreo, fintech (empresa de tecnologia voltada para o setor financeiro), George Waschmann, a meta do novo fundo é captar a mesma quantia do original: R$ 100 milhões. “Quando lançamos o primeiro fundo, tivemos um interesse muito grande de clientes que não se encaixavam no perfil de investidor qualificado. Essa versão mais light vem para atender essa demanda e tem potencial para até superar a quantia captada inicialmente pelo fundo original”, afirmou.

O fundo original, denominado Vitreo Canabidiol FIA IE, lançado em 29 de outubro, captou R$ 20 milhões nas duas primeiras semanas. Com 100% da sua carteira alocada no exterior, porém, era voltado apenas para investidores qualificados (que tenham pelo menos R$ 1 milhão em aplicações financeiras ou que possuam alguma das certificações validadas pela CVM).

Várias plantas de maconha são vistas, uma mais focada ao meio, rodeada pelas demais, que estão desfocadas.
Planta de maconha cresce em cultivo dentro de uma estufa em Ontário, no Canadá - Blair Gable - 29.out.2019/Reuters

“Essa versão com 80% em títulos públicos acaba diluindo um pouco a volatilidade, tanto para o bem quanto para o mal. É um mercado novo e que oscila muito, mas que tem grande potencial de crescimento. Mas é importante destacar, principalmente para os investidores de varejo, que esse investimento é para ser apenas uma casquinha da parcela de risco do portfólio”, acrescentou Waschmann.

O Canabidiol Light tem aporte mínimo de R$ 5.000 e prazo de resgate médio de dez dias (no jargão do mercado, em D+10), tendo ainda de um a dois dias úteis para a conversão das cotas em dinheiro (a chamada cotização).

O total de taxa cobrada no fundo é de 0,452% (considerando-se a taxa ponderada do fundo e as tarifas de administração e custódia). O fundo ainda sofre incidência da alíquota de Imposto de Renda, com tabela regressiva (quanto mais tempo o dinheiro é deixado na carteira, menor o imposto pago).

O fundo original, que investe em mais de 80 empresas do setor da cannabis por meio de ações e ETFs (da sigla em inglês para Exchange-Traded Funds), fundos negociados em Bolsas de valores no exterior e com a temática canabidiol, caía mais de 10% nesta terça-feira (19).

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.