Limite dos juros do cheque especial foi baseado em questões técnicas, afirma presidente do BC

Segundo Campos Neto, não houve ingerência por parte do Banco Central e a intenção foi de aperfeiçoamento do mercado

São Paulo

Após a Febraban (Federação Brasileira de Bancos) criticar a fixação de um juro máximo para o cheque especial em 8%, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou que o objetivo não era tabelar preços, mas aperfeiçoar o mercado.

Segundo Campos Neto, a medida já estava em discussão com os bancos e foi altamente embasada em questões técnicas.

"Não há ingerência. Primeiro, [o cheque especial] é um produto altamente inelástico. Segundo, ele possui uma formação de preço muito desconectada ao custo marginal. Terceiro, há a questão de que quem paga mais é quem tem renda menor. Isso precisa melhorar" explicou Campos Neto.

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, participa de evento promovido pela Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), na Casa do Cooperativismo, em Brasília. (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil) - Marcelo Camargo - 25.jun.19/Agência Brasil

Na semana passada, a Febraban havia criticado a medida do BC, afirmando que apesar de considerar as iniciativas positivas, se preocupa com a "adoção de limites oficiais e tabelamentos de preços de qualquer espécie".

"Medidas para eliminar custos e burocracia e estimular a concorrência são sempre mais adequadas aos interesses do mercado e dos consumidores", disse, em nota.

Campos Neto destacou, ainda, a importância em reduzir o custo da intermediação financeira e afirmou que o movimento de queda de juros já tem chegado ao consumidor.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.