Risco-país brasileiro vai ao menor patamar desde 2010

CDS de 5 anos cai abaixo de 100 pontos; dólar recua para R$ 4,06

São Paulo

O risco-país brasileiro medido pelo CDS (Credit Default Swap) de cinco anos foi ao menor nível em nove anos nesta segunda-feira (16). Depois de nove quedas consecutivas, o índice está em 98 pontos, menor valor desde novembro de 2010, recuo de 3% na sessão.

O CDS funciona como um termômetro informal da confiança dos investidores em relação a economias, especialmente as emergentes. Se o indicador sobe, é um sinal de que os investidores temem o futuro financeiro do país, se ele cai, o recado é o inverso: sinaliza aumento da confiança em relação à capacidade de o país saldar suas dívidas.

Operador da Bolsa de Nova York
O risco-país brasileiro foi ao menor nível em nove anos nesta segunda (16) - Xinhua/Wang Ying

Em 2010, o Brasil tinha o selo de bom pagador concedido pelas agências de classificação de risco  S&P, Fitch e Moody’s, outra chancela acompanhada por investidores internacionais ao decidir aplicações em países emergentes, considerados mais arriscados. 

Na última quarta (11), a S&P elevou de estável para positiva a perspectiva para o rating de longo prazo em moeda estrangeira do Brasil, hoje em BB- (três degraus abaixo do selo de bom pagador). No mesmo dia, o Banco Central cortou a taxa básica de juros de 5% a 4,5% ao ano, mínima histórica.

Embora preveja que a relação dívida/PIB do país deva continuar a crescer nos próximos três anos, a agência americana citou a perspectiva de melhora da posição fiscal do país, após a aprovação da reforma da Previdência e com a perspectiva de continuidade da agenda fiscal em 2020, apesar do risco de reveses continuar material.

“Essa alteração de perspectiva é positiva, mas é algo muito pequeno. Ainda temos um longo caminho até voltar a termos grau de investimento. Vemos uma melhora em dados da economia brasileira, mas muito na margem. Ainda é cedo para dizer que tivemos uma mudança estrutural a economia, precisamos de mais dados concretos”, diz Cristiane Quartaroli economista Ourinvest.

O crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro no terceiro trimestre deste ano veio melhor que o esperado pelo mercado: um crescimento de 0,6% em relação aos três meses anteriores. 

Cristiane diz que o grau de investimento, no entanto, depende das próximas reformas, especialmente a tributária. "[O cenário] depende muito de como vão ser conduzidas as reformas, que precisam de muita articulação política e o governo está mudando de partido”, afirma.

Em novembro, o presidente Jair Bolsonaro saiu do PSL, partido pelo qual foi eleito, para tentar criar uma nova sigla, a Aliança pelo Brasil.

A economista ressalta ainda que, apesar de dados melhores, os estrangeiros não voltaram a investir no país. O ano caminha para ter o pior saldo de investimento estrangeiro na Bolsa de Valores. Até 12 de dezembro, há déficit de R$ 42 bilhões, próximo aos R$ 44,6 bilhões (valor corrigido pela inflação) que saíram da Bolsa em 2008, ano da crise financeira, saída recorde desde o início da série histórica da B3e 1996.

O que é o risco-país

  1. Funciona como um termômetro informal da confiança dos investidores globais em relação a economias, especialmente as emergentes

  2. O “termômetro” mais usado hoje é o CDS (Credit Default Swap), instrumento financeiro que indica o risco de calote de um país

  3. Se o indicador sobe muito, é um sinal de que os investidores temem o futuro financeiro do país e desconfiam que ele não vai saldar os pagamentos regulares de sua dívida

  4. Se o indicador cair, o recado é o inverso: sinaliza aumento da confiança em relação à capacidade de o país saldar suas dívidas

  5. Indiretamente, o risco-país também aponta expectativas em relação aos demais indicadores da economia, como o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto)

Apesar da forte saída de estrangeiros, o CDS recua desde junho, quando a reforma da Previdência estava em discussão na comissão especial da Câmara dos Deputados. A medida é vista como crucial para estabilizar a dívida pública, o que diminui o risco de um calote no futuro. Após o término da tramitação do projeto no Senado, no final de outubro, o risco-país acelerou a queda.

De acordo com analistas, o recuo do CDS desta segunda é fruto de um viés mais otimista no exterior e no Brasil. Na última sexta (13), China e Estados Unidos anunciaram que chegaram a um entendimento a respeito da fase 1 do acordo comercial para cessar a disputa econômica entre os países que já dura quase dois anos. 

Os detalhes ainda não foram divulgados, mas a primeira etapa do acordo envolve o aumento da compra produtos agrícolas americanos por parte da China e redução, por parte dos Estados Unidos, das tarifas sobre importações chinesas.

Para José Francisco de Lima Gonçalves, economista-chefe do Banco Fator, a decisão do Fed, banco central americano, na última quarta (11), de manter juros estáveis por mais tempo também contribui para a melhora global. 

“O Fed deixou claro que não vai reduzir juros, mas que também não irá elevá-los. Somado a primeira fase do acordo comercial, são duas notícias que ajudam todas as economias, não só o Brasil. O mundo inteiro olha os emergentes com mais carinho agora”, diz Gonçalves.

Para se somar ao cenário positivo, dados da economia chinesa vieram melhores que o esperado nesta segunda. Segundo o Escritório Nacional de Estatísticas (NBS, na sigla em inglês), as vendas do varejo no na China cresceram 8% em novembro em relação ao mesmo mês de 2018, acima da expectativa do mercado. Em outubro, o crescimento foi de 7,2%. A produção industrial também acelerou e teve alta de 6,2% em novembro com relação a 2018, ante 4,7% em outubro.

"Em geral, as leituras de novembro são recebidas de bom grado por investidores, mas acreditamos que ainda é cedo para definir um movimento de recuperação sustentável da economia chinesa, uma vez que, como foi o caso em setembro, já tivemos diversos meses com crescimento isolado", diz relatório da Guide Investimentos.

O CDS da maioria dos emergentes também recuou nesta segunda e o índice CSI 300, que mede o desempenho das Bolsas chinesas de Xangai e Shenzhen, fechou em alta de 0,5%. Índices americanos, por sua vez, bateram recorde. Dow Jones subiu 0,36%, S&P 500, 0,7% e Nasdaq, 0,9%.

Em Londres, a Bolsa subiu 2,25% e foi ao maior patamar desde agosto com a vitória do líder conservador Boris Johnson na eleição de quinta-feira (12), que pode levar a conclusão do brexit.

No Brasil, a cotação do dólar recuou 1%, a R$ 4,062, menor valor desde 5 de novembro. O real foi a segunda moeda emergente que mais se valorizou no pregão, atrás apenas do rand sul-africano.

Nesta segunda, o boletim Focus do Banco Central aponta um crescimento maior do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro em 2019 e 2020. De 1,1% na semana anterior, a expectativa do mercado para o PIB deste ano passou para 1,12%. Para o próximo ano, a expectativa foi de 2,24% a 2,25%.

O Ibovespa operou em alta durante a maior parte do pregão e chegou aos inéditos 113 mil pontos. Ao fim da sessão, porém, a Bolsa inverteu o sinal e fechou em queda de 0,6%, a 11.896 pontos. 

Segundo analistas, a confirmação do porta-voz da Presidência, general Otávio do Rêgo Barros, de que um tributo nos moldes da antiga CPMF pode estar em estudos no Ministério da Economia foi o que derrubou o índice.

"A antiga CPMF, ou coisa que o valha, ainda não está no escantilhão do próprio presidente e eventualmente pode estar sendo analisado pelo Ministério da Economia, mas nós não temos dados nem referência mais objetiva para afiançarmos se isso vai adiante ou não", disse o general nesta segunda.

Mais cedo, Bolsonaro havia dito que "todas as alternativas estão na mesa" após ter sido questionado sobre possível volta de um imposto sobre transações financeiras. O governo, no entanto, só aceitaria criar um imposto se outro tributo for extinto, disse o presidente.

A última vez que a adoção de um imposto nos moldes da antiga CMPF veio à tona foi meses atrás quando o então secretário especial da Receita, Marcos Cintra, defendia a inclusão do tributo na proposta de reforma tributária a ser apresentada pelo governo. Cintra acabou deixando o cargo após uma das negativas de Bolsonaro sobre essa possibilidade.

(Com Reuters)

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.