Descrição de chapéu The Washington Post

Tarifas de Trump mostram fracasso de política externa de Bolsonaro

Presidente dos EUA atacou diante de seus 67 milhões de seguidores um aliado político que investiu capital político significativo

The Washington Post

Este era o ano em que as coisas entre o Brasil e os Estados Unidos supostamente deveriam ter mudado. Os anos de governo esquerdista no Brasil se encerraram.

Jair Bolsonaro, fã declarado do presidente Donald Trump e dos Estados Unidos, se tornou presidente. E ele estava prometendo uma dramática reorientação na política externa brasileira, deixando para trás seu elenco de alianças socialistas em troca de um alinhamento com os Estados Unidos.

“O Trump dos trópicos”: era assim que as pessoas o chamavam.

Mas em lugar de conduzir a um novo começo entre os dois maiores países da América, a reaproximação em lugar disso consistiu de uma série de largadas falsas, expectativas não realizadas e tuítes ignominiosos.

Na segunda-feira (2), a derrapagem diplomática se agravou quando Trump tuitou que estava reimpondo as tarifas sobre o aço e alumínio importados do Brasil e da vizinha Argentina. Ele disse que os gigantes sul-americanos haviam desvalorizado suas moedas artificialmente a fim de tornar suas indústrias mais competitivas contra os Estados Unidos.

O presidente dos EUA, Donald Trump, e Jair Bolsonaro durante encontro em Washington - Carlos Barria - 20.mar.19/Reuters

O tuíte matinal causou choque a Bolsonaro, que parecia ter sido apanhado completamente de surpresa, ao falar sobre a decisão aos repórteres que cobrem o palácio do governo.

“Vou falar com Paulo Guedes”, ele disse, se referindo ao ministro da Fazenda brasileiro. “Alumínio? Vou falar com Paulo Guedes agora… Se necessário, telefonarei para Trump. Tenho um canal aberto com ele”.

Que Bolsonaro, que elogiou Trump repetidamente e buscou apontar seu filho como embaixador nos Estados Unidos, não tenha sido avisado sobre a decisão de Trump serviu para enfatizar ainda mais algo que já estava claro há muito tempo: sua aposta em aproximar o maior país da América Latina do governo Trump parece cada vez mais uma humilhante derrota diplomática.

Diversas vezes, nos últimos meses, Bolsonaro se viu apanhado de surpresa e atacado por insultos e reviravoltas de Trump.

O presidente americano havia dito a Bolsonaro este ano que apoiaria o esforço brasileiro pela admissão na OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) –uma promessa que Bolsonaro alardeou como vitória política. Mas a carta de recomendação dos Estados Unidos vazou, e mostrou que a administração Trump estava apoiando a admissão da Romênia e da Argentina mas não a do Brasil.

Algumas semanas mais tarde, o governo americano recusou o pedido de Bolsonaro pela revogação das restrições às importações de carne bovina brasileira, adotadas por motivos de segurança –uma vez mais apanhando o governo brasileiro de surpresa.

Agora, Trump decidiu tomar por alvo um dos mais importantes setores da economia brasileira, em um momento em que o desemprego no país supera os 10% e a economia está estagnada.

“Não houve concessões importantes dos Estados Unidos, e nem mesmo gestos significativos de apoio a Bolsonaro”, disse Mauricio Santoro, cientista político da Universidade Estadual do Rio de Janeiro. “Trump nem mesmo defendeu o presidente brasileiro quando ele foi criticado em manifestações em Nova York”.

“A política externa pró-americana de Bolsonaro”, ele disse, até agora produziu apenas “uma falta de resultados”.

Trump previu em março que ele e Bolsonaro teriam um “relacionamento de trabalho fantástico”. Bolsonaro definiu Trump como “um exemplo para mim” e disse que os dois trabalhariam juntos “para o benefício de nossos dois países”.

Agora, o colapso do que há algum tempo parecia ser uma união promissora entre as duas maiores economias da América abriu as portas para que a China acelere sua penetração na América Latina;
Bolsonaro criticou frequentemente o envolvimento do Brasil com a China. Quando candidato, ele viajou a Taiwan e anunciou que poria fim a uma política externa que desdenhou como inaceitável por sua “amizade com regimes comunistas”.

Mas foi a China –e não os Estados Unidos– que saiu repetidamente em sua ajuda quando ele precisou disso.

Na metade do ano, quando as queimadas da Amazônia levaram alguns países a ameaçar boicotar as exportações brasileiras de carne bovina —sua produção acelera o desflorestamento—, a China anunciou que elevaria suas compras.

Em seguida, no mês passado, em um gigantesco leilão petroleiro que as autoridades brasileiras haviam alardeado como histórico, a China ajudou a evitar outro embaraço. Todos os interessados internacionais optaram por não participar – exceto os chineses.

“Na situação atual, os chineses estão vencendo o duelo geopolítico que vem acontecendo entre Washington e Pequim na América Latina”, disse Oliver Stuenkel, professor de relações internacionais na Fundação Getúlio Vargas, em São Paulo.

Ele disse que a ruptura do relacionamento entre os governos brasileiro e americano era, de certa forma, previsível. Os interesses políticos de Trump estão em conflito com as ambições econômicas brasileiras. A economia brasileira tem por base a produção e venda de commodities —os mesmos produtos oferecidos pela base política de Trump em comunidades industriais e agrícolas.

“Tudo que resta são palavras e promessas, mas, estruturalmente, esse relacionamento mais estreito não produz benefícios mútuos”, disse Stuenkel. “Como consequência, é bastante evidente que, tendo começado com grandes expectativas, ele de alguma forma viria a terminar em frustração”.

O momento e o tuíte podem ter causado mais danos ao relacionamento do que as esnobadas passadas por parte de Washington. A mais recente tirada de Trump foi muito pública. Trump atacou –diante de seus 67 milhões de seguidores no Twitter– um aliado político que investiu capital político significativo em tentar se aproximar dele.

“O tuíte de Trump foi definitivamente humilhante para Bolsonaro”, disse Guilherme Casarões, cientista político da Fundação Getúlio Vargas. “Ao contrário de momentos anteriores em que os Estados Unidos esnobaram o Brasil, Bolsonaro e seus assessores mais próximos não podem culpar a oposição por distorcer os fatos ou manipular a verdade”.

Isso pode tornar mais provável que Bolsonaro contrarie os desejos de Washington. O governo Trump tentou afastar o Brasil do conglomerado chinês Huawei, em seu esforço por instalar redes de telefonia móvel 5G no país. Mas Bolsonaro teve reuniões com executivos da Huawei e parece pronto a ir em frente com a companhia chinesa —a despeito dos protestos de Washington de que a Huawei age como instrumento dos sistemas chineses de vigilância.

“Ao contrário de Trump, [o presidente chinês] Xi Jinping vê o Brasil como aliado chave na América Latina e como parceiro estratégico na guerra comercial contra Washington”, disse Casarões. “Parece provável que o Brasil favoreça a China na disputa”.

Tradução de Paulo Migliacci

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.