Eduardo Bolsonaro defende fabricantes estrangeiros no Brasil para aumentar acesso a armas

Deputado integra comitiva do presidente Jair Bolsonaro na visita oficial à Índia

Déli

O deputado Eduardo Bolsonaro defendeu neste domingo (26) a entrada de fabricantes estrangeiros de armamentos no Brasil, para aumentar o acesso da população a armas.

“Eu não quero falir a Taurus, quero apenas abrir o mercado" para que haja concorrência e isso aumente a qualidade e baixe o preço, disse Eduardo. “Isso vai permitir que a população tenha mais acesso a armas, hoje em dia esse mercado é elitista, por causa dos preços das armas”, disse.

Eduardo faz parte da comitiva do presidente Jair Bolsonaro na visita oficial à Índia.

O deputado afirmou que irá se dedicar este ano à abertura do mercado brasileiro de armamentos. Hoje em dia, há poucas empresas fabricando armamento civil no Brasil, a estatal Imbel e a CBC-Taurus dominam o mercado.

(Nova Delhi - Índia, 25/01/2020) Presidente da República Jair Bolsonaro,  durante banquete em sua homenagem, oferecido pelo senhor Ram Nath Kovind, Presidente da República da Índia.Foto: Alan Santos/PR
O deputado Eduardo Bolsonaro cumprimenta o presidente da Índia, Ram Kovind, durante visita oficial do presidente Jair Bolsonaro ao país indiano - Alan Santos/Divulgação Presidência

Eduardo afirmou que já teve videoconferências com a suíça-alemã SigSauer e a italiana Beretta, que querem se instalar no Brasil e fabricar no país.

 

De acordo com o deputado, o virtual monopólio da CBC-Taurus em armas de pequeno porte faz com que o preço de armamentos seja muito alto. Munição também, afirmou, é cinco vezes mais barata nos Estados Unidos.

Na segunda-feira, Eduardo participa do seminário conjunto de indústrias de Defesa da Índia e do Brasil que se realiza em Déli. Dez grandes empresas brasileiras de armas, munição, vigilância e aviação fazem parte da delegação do presidente Bolsonaro. O governo quer aumentar as vendas de armamentos para Índia.

Segundo Eduardo, também há expectativa de aumentar vendas de armamentos para o Oriente Médio, principalmente Arábia Saudita e Emirados Árabes.

No mercado interno, segundo o deputado, há muita burocracia que impede que indústrias bélicas estrangeiras se instalem, por causa do lobby para manter o virtual monopólio da Taurus.

O deputado quer também desburocratizar o acesso de atiradores e colecionadores – grandes entusiastas do presidente Bolsonaro— a armas.

Indagado, ele afirma que o maior acesso da população a armas não irá aumentar a criminalidade no Brasil.

“O que mata não é a arma, é o ser humano”, disse Eduardo. “Antes de 2003 (adoção do estatuto do desarmamento), havia muito menos mortos que hoje, o estatuto impede a população de ter arma, passa recado para a bandidagem: fiquem tranquilos.”

Ele também afirmou que a redução de 22% na queda no número de mortes violentas em 2019 decorre também de um efeito moral do governo Bolsonaro. “Quando um presidente se diz armamentista, diz que invasor de terra será recebido a bala e que pretende dar à população acesso a armas, isso tem impacto sobre a bandidagem.”

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.