Centauro compra Nike no Brasil por R$ 900 milhões

Acordo depende de aval do Cade e não inclui direitos sobre propriedade intelectual

São Paulo

A Centauro anunciou nesta quinta-feira (6) a compra da Nike no Brasil por cerca de R$ 900 milhões, informou a companhia em comunicado ao mercado. A operação depende de aval do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica).

Na operação, a varejista fica com o capital de giro e estoque da Nike no país, mas não leva determinados ativos, como direitos sobre propriedades intelectual. 

O grupo será o distribuidor exclusivo dos produtos Nike, incluindo vestuário, calçados, acessórios e equipamentos e operadora direta exclusiva do canal de venda eletrônico varejista por um período inicial de dez anos.

 
 
Fachada de loja da Nike em São Paulo
Fachada de loja da Nike em São Paulo - Paulo Whitaker/Reuters

Pelo período inicial de cinco anos, a Centauro também terá o controle das lojas físicas, podendo abrir e operar lojas Nike por todo o Brasil.

Em comunicado ao mercado, o grupo SBF, que controla a Centauro, afirma que a Nike do Brasil é responsável pelo comércio atacadista de produtos da marca no país. 

O grupo afirmou que pagará parte da operação com recursos próprios e que negocia com os bancos Santander, Itaú BBA e Bradesco BBI a estrutura de financiamento.

“Após o cumprimento de referidas condições ao fechamento, e concomitantemente à consumação da Compra de Quotas, a Nike do Brasil celebrará com a Nike o Contrato de Distribuição, Master Store Agreement, Contrato de Licença de Marca, Contrato de Serviços de Assessoria e Consultoria de Marketing e outros contratos auxiliares", informou.

Em junho do ano passado, a empresa travou uma batalha com a Magazine Luiza pela compra da Netshoes. A aquisição foi feita pela Magazine Luiza, que avaliou a companhia em R$ 445 milhões.

​Devido ao interesse das duas, o valor oferecido mais do que dobrou no período. A proposta do Magazine Luiza foi aprovada por 90,32% dos acionistas votantes.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.