Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Guedes diz que no pior cenário com coronavírus PIB pode crescer 1%

Resultado seria, então, metade o previsto hoje; quadro mais realista, avalia ministro, é crescimento de 1,8%

Brasília

No mesmo dia em que a equipe econômica revisou de 2,4% para 2,1% a sua projeção para o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) para 2020, o ministro Paulo Guedes (Economia) disse que o resultado pode ser ainda pior por causa da pandemia do coronavírus.

Para Guedes, no pior cenário, o PIB seria de 1%, ou seja, o crescimento da economia seria menor do que o resultado de 1,1% 2019. Seria o quarto ano seguido de baixo crescimento após a recessão.

O ministro, no entanto, considera que o quadro mais realista é de uma perda de 0,3 ponto percentual. Nesse caso, o PIB cresceria 1,8% neste ano.

"Primeiros estudos nossos: se for uma coisa suave, 0.1 [ponto percentual] de perda de PIB. Se for uma coisa mais grave, pode chegar a 0.3, 0.4 até 0.5 [p.p de corte]", disse Paulo Guedes em reunião com congressistas na noite desta quarta-feira (11).

"Se, ao contrário, a pandemia tomar conta do Brasil e nós não fizermos as nossas reformas, pode chegar até 1%", disse.

Segundo o ministro, se a população mantiver seus hábitos, o efeito do coronavírus sobre a economia será muito menor, apesar de as chances da contaminação serem maiores.

"Se nós continuarmos com as nossas formas de vida, a economia resiste um pouco mais —porque nós vamos continuar saindo, almoçando, indo a jogo de futebol—​ e a contaminação aumenta. Se nós, por outro lado, mudamos nosso comportamento, a contaminação desce, mas a economia afunda", afirmou.

Guedes foi ao Congresso depois de os parlamentares aprovarem uma despesa extra de R$ 20 bilhões ao ano para o governo.

Na reunião, convocada de emergência a pedido do Palácio do Planalto, Guedes disse a deputados e senadores que a solução para a crise gerada pela pandemia é do Legislativo e que o sistema pode entrar em colapso.

"A solução é política, é de todos os senhores. O mapa técnico nós temos, sabemos como ligar as torneiras, com despejar o dinheiro, como realocar o dinheiro. Temos esta capacidade, vamos acelerar as reformas", afirmou.

"Agora, tem uma coisa que é inescapável: a solução é política. Por exemplo, se nós conturbarmos o ambiente político por um lado, o Congresso reage por outro lado e aprova mais despesas, não são as que nós queremos, derrubamos o teto [de gastos], vamos para a Lei de Responsabilidade Fiscal, o governo trava os recursos. Onde nós vamos parar?", indagou.

A reunião de Guedes com os parlamentares ocorreu um dia após o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ter dito, sobre a crise do coronavírus, que "muito do que falam é fantasia". Na segunda (9), Guedes havia dito que o governo está sereno e que a melhor resposta para a crise são as reformas.

Mais cedo, o Congresso derrubou um veto de Bolsonaro à ampliação do BPC (benefício assistencial a idosos carentes e deficientes). Após a derrota, Guedes e Fernando Bezerra (MDB-PE), líder do governo no Senado, foram ao Palácio da Alvorada reunir-se com Bolsonaro.

Pouco depois, os presidentes do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-RJ), e da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), convocaram líderes partidários para uma reunião de emergência, a portas fechadas.

Desta reunião também participaram Guedes e os ministros Luiz Henrique Mandetta (Saúde), Jorge Oliveira (Secretaria-Geral) e Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo), além do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

Gravidade

A ida dos ministros ao Congresso foi lida por alguns líderes e parlamentares presentes na reunião de emergência como uma sinalização que o governo pode tentar reaver o total dos recursos do Orçamento que ficaram nas mãos do relator, Domingos Neto (PSD-CE).

Durante a tarde, líderes tentavam costurar um entendimento para destinar R$ 5 bilhões dos R$ 15 bilhões dessas emendas ao combate à pandemia do coronavírus. Em contrapartida, queriam que o governo mantivesse o acordo para votar os projetos de lei enviados pelo governo e aprovados na CMO (Comissão Mista de Orçamento) e, assim, garantissem a palavra final de parte dos recursos com o Congresso.

Parlamentares disseram à Folha que o cenário apresentado por Mandetta na reunião foi catastrófico.

"A exemplificação vívida do ministro Mandetta mostra a gravidade desta pandemia do ponto de vista da dimensão de saúde pública. O sistema pode entrar em colapso, xeque, dependendo da velocidade de contágio. Os primeiros modelos sugerem que ela pode ser alta. É um quadro de extraordinária gravidade", disse Paulo Guedes aos congressistas.

De acordo com relatos, os parlamentares reagiram à manifestação de Guedes e foi preciso que Alcolumbre interviesse.

"Vamos aguardar e ouvir o ministro da Economia, o ministro da Saúde, as autoridades do governo e vamos fazer a nossa parte no Congresso. Depois a gente discute no plenário", disse Alcolumbre.

Um congressista contra-argumentou que o Congresso sempre fez sua parte.

Impactos

Guedes falou sobre os impactos imediatos já sentidos nos setores aéreo e de turismo e que esse cenário pode se agravar e chegar a outras áreas de serviços conforme a duração da pandemia.

"O impacto econômico vai depender muito de como os nossos agentes econômicos vão reagir. Suponhamos que nós todos vamos nos trancar em casa e vamos parar de nos movimentar. Vai acontecer uma queda forte no setor de serviços. E aí vamos ter que reagir a isso como? Nós vamos ter que, aí sim, soltar recursos especiais. De alguma forma vou gastar para amenizar o impacto", afirmou.

"Vocês vão ter que tomar decisões de todo o tipo", disse Guedes.

Rodrigo Maia cobrou de Guedes um quadro claro dos impactos econômicos previstos.

O ministro ponderou com os deputados e senadores que não se pode precipitar algum tipo de plano sem entender onde haverá os maiores impactos.

"Você ainda não sabe onde vai ser o maior impacto. Falam muito que o comércio com a China pode nos atingir. Os chineses, tendo coronavírus ou não, querem se alimentar de proteínas. E as exportações para China aumentaram tanto de proteína animal ou de soja. Há efeitos inesperados. Não adianta agora falar que vou lançar um programa de apoio a quem comercializa com a China se a exportação nesse período cresceu 30 a 40% em comparação com o ano passado".

Guedes lembrou ainda que os bancos públicos dispararam linhas para pequenas e médias empresas para evitar a quebra desses setores.​

Após o ministro, o presidente do BC, Campos Neto, fez um panorama geral da economia apontando para a possibilidade de um cenário de recessão caso a pandemia evolua.

Orçamento

Declarado pandemia pela OMS (Organização Mundial da Saúde) nesta quarta, o coronavírus virou uma justificativa do governo para rever as condições do acordo que previa deixar em torno de R$ 15 bilhões desses R$ 30,8 bilhões sob controle do Congresso.

Parlamentares aceitaram o compromisso de destinar cerca de R$ 5 bilhões das emendas do relator, deputado Domingos Neto (PSD-CE), para o combate à doença, mas queriam manter no mínimo R$ 10 bilhões em seu poder.

Uma outra alternativa discutida nesta noite foi a apresentação de uma medida provisória para garantir os recursos demandados pela Saúde para a crise sanitária.

"Consultores do Senado se manifestaram a favor de uma medida provisória emergencial porque ela libera os recursos imediatamente e não tem problema relacionado ao teto de gastos, porque é uma questão emergencial", disse Alcolumbre.

O líder do PP na Câmara, Arhtur Lira (AL), deixou a reunião antes do fim e disse que o governo não sabe o quanto vai precisar em recursos para enfrentar a pandemia. Lira também criticou o presidente do Senado, que não comandou as sessões do Congresso desta terça (10) e quarta-feira, quando se deveria tentar votar os projetos que tratam da distribuição dos R$ 30,8 bi que estão nas mãos do Congresso.

"Se o presidente Davi tivesse sentado na cadeira [de presidente do Congresso] ontem e hoje, a gente já teria resolvido. Pode ser que ele queira sentar amanhã", afirmou.​

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.