Projeto que amplia auxílio emergencial e BPC gera impacto de R$ 140 bi, diz Ministério da Economia

Entre as alterações está a inclusão de mais beneficiários,como agricultores familiares e pescadores artesanais

Brasília

O Ministério da Economia estima que o projeto de lei que amplia o auxílio emergencial para informais, além de outros repasses à população, trará um impacto aproximado de R$ 140 bilhões para os cofres públicos.

O projeto de lei em discussão é o 873, já aprovado no Senado e em discussão na Câmara. O presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), já demonstrava no começo do mês que queria conversar com o governo sobre o projeto diante de alertas feitos pela equipe econômica sobre o custo do texto, como mostrou a Folha.

Um primeiro bloco de mudanças trazidas pelo projeto amplia o auxílio emergencial de R$ 600 a informais durante a crise do coronavírus, programa já sancionado pelo Executivo. As alterações geram um impacto líquido de R$ 10 bilhões.

Entre as alterações promovidas pelo texto está a inclusão de mais trabalhadores entre os beneficiários (como agricultores familiares e pescadores artesanais). O projeto ainda permite a pais que criam filhos sozinhos, e não apenas mães, receberem o auxílio em dobro (ou seja, R$ 1.200).

O texto ainda permite que a mãe trabalhadora informal menor de 18 anos possa receber os recursos. Além disso, retira a trava de renda de R$ 28.559,70 em 2018 (mas estabelece que aqueles que tiverem rendimento superior e receberem auxílio deverão devolver o valor ao declararem o Imposto de Renda de 2021).

Um segundo bloco de medidas analisadas pelo Ministério traz mudanças no BPC (Benefício de Prestação Continuada, destinado a idosos e deficientes carentes).

O texto no Congresso restitui o critério de renda familiar per capita de meio salário mínimo para concessão do benefício, o que demandaria em termos líquidos R$ 15 bilhões anuais.

Nesse caso, alertam os técnicos, a iniciativa tem o agravante de não ficar restrita ao enfrentamento da crise e permanecer com o tempo.

Um terceiro bloco de medidas do texto cria o programa auxílio emprego, com custo estimado de R$ 114 bilhões.

O programa se somaria a outro já criado pelo governo, que instituiu o Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda para trabalhadores que tiverem contrato suspenso ou redução de jornada e salário.

A equipe do ministro Paulo Guedes (Economia) diz que o programa a ser criado pelo Congresso custaria 122% mais e atenderia apenas 45% dos trabalhadores já contemplados com o benefício emergencial.

“Não há fonte de recursos indicada, o dispositivo é absolutamente genérico e mesmo adotando premissas conservadoras, a estimativa de custo para quatro meses é de R$ 114 bilhões”, afirma a nota técnica do Ministério da Economia.

Devido ao impacto e ao formato das medidas, o Ministério se posiciona de forma contrária às alterações promovidas no auxílio emergencial, à ampliação do BPC e à criação do programa auxílio desemprego.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.