Descrição de chapéu Coronavírus

Senado aprova ampliação de auxílio emergencial em dobro para pais solteiros

Motoristas de táxi e de aplicativos, pescadores, esteticistas, entre outros, serão beneficiados

Brasília

O Senado aprovou em sessão virtual na tarde desta quarta-feira (22) a ampliação de categorias a serem beneficiadas com o auxílio financeiro de R$ 600 durante o estado de calamidade decretado pela pandemia causada pelo coronavírus. O pagamento será feito em três parcelas aos beneficiados pela medida.

Entre os beneficiados com a medida estão motoristas de táxi e de aplicativos de transporte, pescadores, esteticistas, caminhoneiros, diaristas, garçons, artistas, associados de cooperativas de catadores de materiais recicláveis e de agricultura familiar, entre outros.

Profissionais intermitentes, que são aqueles que prestam serviço não de forma contínua, também serão beneficiados pelo programa, desde que tenham renda mensal inferior a um salário mínimo. ​

Aplicativo de auxílio emergencial da Caixa Econômica Federal
Aplicativo de auxílio emergencial da Caixa Econômica Federal - Gabriel Cabral/Folhapress

O texto permite ainda que chefes de família solteiros (homens e mulheres) recebam o dobro do valor (R$ 1.200 mensais).

Antes, apenas mulheres provedoras das famílias podiam acumular os valores. A proposta também permite que mães solteiras menores de 18 anos possam receber o benefício.

Ao todo, 80 senadores votaram a favor da medida, e não houve votos contrários. A proposta será encaminhada para sanção do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

O projeto aprovado pelos senadores retirou o trecho que desobrigava a exigência de CPF e título de eleitor regular. Dessa forma, só quem está com os documentos regulares podem receber o benefício.

"Temos decisão judicial para isso, então consideramos melhor retirar", disse o relator.

O governo se comprometeu a regulamentar o tema a fim de evitar fraudes, indicando os documentos que serão aceitos.

Os deputados previram a regularização automática dos CPFs sem cobranças bancárias.

"Não há porque se temer irregularidade para falta do CPF porque o governo tem como fazer esse controle", disse o relator da proposta, senador Esperidião Amin (PP-SC).

Pela proposta, também fica criado o Programa de Auxílio Emprego, que autoriza o Poder Executivo a pagar parte dos salários de trabalhadores (até o limite de três salários mínimos) para que eles não sejam demitidos no período seguinte à pandemia.

A medida, contudo, depende de acordos firmados entre empregadores e empregados.

"Eu espero que o senhor presidente da República não tarde em sancionar esse projeto", disse Randolfe Rodrigues (Rede-AP), autor da proposta que foi votada na Câmara e sofreu modificações.

O projeto aprovado nesta quarta-feira permite ainda a suspensão de pagamento das parcelas do Fies (Fundo de Financiamento Estudantil) durante o período de calamidade, para os estudantes que estavam em dia antes da vigência do estado de calamidade.

Também saiu do texto do Senado uma mudança que isentava o beneficiário de pagar Imposto de Renda sobre o auxílio recebido caso ele apresente rendimentos, em 2020, acima da primeira faixa de isenção (R$ 28,6 mil). O relator explicou que o pagamento do imposto havia sido negociado com o Ministério da Economia.

A pedido da senadora Mara Gabrilli (PSDB_SP), o relator da medida retomou uma alteração que havia sido feita pela Câmara, retirando a proibição de interrupção do pagamento de aposentadorias, pensões e benefícios sociais durante a pandemia exceto em caso de morte do beneficiário.

Pela proposta aprovada que vai para sanção presidencial, o novo critério de renda familiar per capita máxima para recebimento do Benefício de Prestação Continuada (BPC) passa de 25% do salário mínimo para 50%.​

Erramos: o texto foi alterado

Diferentemente do publicado em versão anterior do título e do texto desta reportagem, o projeto aprovado no Senado nesta quarta-feira (22) retirou o trecho que desobrigava a exigência de CPF e título de eleitor regular para a obtenção do auxílio emergencial de R$ 600. O texto foi corrigido.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.