Número de afastados do trabalho por pandemia cai no início de junho, diz IBGE

Redução coincide com abertura do comércio em algumas regiões e retomada de atividades industriais

Rio de Janeiro

Caiu no início de junho o número de brasileiros afastados do trabalho em consequência da pandemia do novo coronavírus, informou nesta sexta (26) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Não houve, porém, melhora na taxa de desemprego nem no número de pessoas ocupadas no país.

Os dados são da pesquisa Pnad Covid, criada pelo instituto para identificar os efeitos da pandemia no mercado de trabalho e na saúde dos brasileiros. Nesta sexta, o IBGE divulgou informações relativas ao período entre os dias 31 de maio e 6 de junho.

Segundo a pesquisa, 13,5 milhões de trabalhadores (o equivalente a 16,1% da população ocupada) estavam afastados do trabalho na primeira semana de junho. São 3,1 milhões a menos do que um mês antes e 1,1 milhão a menos do que o verificado na semana anterior.

O IBGE não analisou os motivos da queda, mas o movimento coincide com o retorno das atividades comerciais e de serviços em estados que relaxaram as medidas de isolamento social e com a retomada da produção de importantes setores industriais, como o automobilístico.

O relaxamento, porém, começa a ser revisto em diversas cidades diante do crescimento no número de contaminações após a reabertura das lojas.

A coordenadora da pesquisa, Maria Lucia Vieira, avalia que a redução do número de afastados pode estar ligada ao retorno de informais às ruas após as medidas de relaxamento, já que a pesquisa captou aumento na informalidade no início de junho.

"O que a gente vem observando é que, com essa flexibilização, as pessoas que trabalhavam informalmente aos poucos estão retornando às atividades", disse ela. Entre o fim de maio e o início de junho, a informalidade subiu de 34,5% para 35,6%. Em relação ao início de maio, porém, a taxa ficou estável.

Desde o início da pandemia, as pesquisas do IBGE vêm mostrando que informais foram os que mais sofreram com as medidas de isolamento social. Com grande presença nessa categoria, trabalhadores pretos, pardos e sem instrução foram especialmente afetados.

Eles têm menor presença, por exemplo, entre os trabalhadores que foram deslocados para trabalho remoto durante a pandemia. De acordo com o IBGE, no início de junho 8,9 milhões de pessoas (ou 13,2% dos ocupados no país) trabalharam de casa.

Os dados do IBGE indicam que ainda não há melhoria no nível de emprego. A população ocupada na primeira semana de junho (83,7 milhões de pessoas) ficou praticamente estável em relação à semana anterior (84,4 milhões de pessoas) e à primeira semana de maio (83,9 milhões).

Assim, o nível de ocupação no início de junho foi de 49,3% (isto é, pouco menos da metade da população em idade de trabalhar tinha emprego naquela semana). Na última semana de maio, era de 49,7% e na primeira de maio, 49,4%. Taxas menores que 50% estão sendo vistas pela primeira vez na história durante a pandemia.

A população desempregada no país era de 11,2 milhões de pessoas na primeira semana de junho, praticamente estável em relação aos 10,9 milhões verificados na semana anterior. Em comparação com a primeira semana de maio (9,8 milhões de pessoas), houve crescimento.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.