XP anuncia reorganização societária

Novo grupo de controle da companhia contará com seis sócios-diretores ao lado de seu fundador, Guilherme Benchimol

São Paulo

A XP anunciou uma nova composição do seu grupo de controle e uma reorganização nesta terça-feira (22). A companhia passa a ter seis sócios-diretores ao lado do fundador e presidente da empresa, Guilherme Benchimol.

São eles: Bernardo Amaral, Bruno Constantino, Carlos Alberto Ferreira, Fabrício Almeida, Gabriel Leal e Guilherme Sant’Anna.

Além disso, a companhia também faz, pela primeira vez, a reorganização societária para o programa de RSUs (sigla em inglês para Ações Restritas, na tradução livre). O modelo foi pré-aprovado na abertura de capital da XP e, na prática, faz com que as ações da empresa não sejam transferíveis com o total benefício da venda até que determinadas condições sejam cumpridas.

Guilherme Benchimol, fundador e presidente da XP Investimentos
Guilherme Benchimol, fundador e presidente da XP Investimentos - Joel Silva - 10.ago.2018/Folhapress

Por exemplo, um sócio que tenha uma determinada participação na companhia por meio do programa de remuneração de RSUs só poderá resgatar 100% do seu retorno ao cumprir um tempo pré-estabelecido. Caso esse sócio decida vender sua parte antes do prazo estipulado, ganha apenas a parte equivalente ao tempo que ficou em posse das ações.

Cerca de 300 sócios foram migrados para o novo programa de remuneração.

Segundo a XP, a medida está em linha com padrões internacionais de governança e reforça o comprometimento de longo prazo dos principais sócios com a corretora e os acionistas minoritários.

“Valorizar a visão de longo prazo, a meritocracia e as pessoas que ajudam a construir diariamente a XP é fundamental e foi o mote principal dessa decisão, que nos fortalece e reforça o nosso compromisso de geração contínua de valor a todos os acionistas”, afirmou Benchimol em nota.

Esse balanceamento do quadro societário acontecerá anualmente. O programa de RSUs também está alinhado com o crescimento da companhia e com valorização de suas ações na Bolsa de Valores.

A oferta de ações da XP aconteceu em dezembro de 2019 na Bolsa de tecnologia Nasdaq, em Nova York e movimentou US$ 2,25 bilhões (R$ 12,2 bilhões). Na época a empresa estreou no mercado com US$ 14,9 bilhões de valor de mercado (cerca de R$ 81 bilhões).

Os investidores que adquiriram os papéis no IPO pagaram US$ 27 (R$ 146,7) por ação – acima do valor sinalizado pela companhia anteriormente, que era de US$ 22 a US$ 25 (de R$ 119,5 a R$ 135,8)

Nesta terça-feira (22) as ações da XP encerraram o dia com alta de 3,06%, cotadas em US$ 43,38 (R$ 235,7). No ano, os papeis da corretora acumulam ganho de 155,8%.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.