Com queda na demanda chinesa por metais, Brasil deve crescer menos que o mundo em 2021

PIB brasileiro deve ficar abaixo da média latino-americana; país deve seguir menos atrativo ao capital estrangeiro

São Paulo

O crescimento da economia brasileira em 2021 ficará abaixo da média global e da América Latina e, ao contrário da saída da crise financeira mundial de uma década atrás, desta vez o Brasil não contará com o impulso do aumento de preços de commodities minerais.

Muitos países, sobretudo os emergentes e europeus, também não se recuperarão tão rapidamente das perdas provocadas em 2020 pela pandemia da Covid-19, segundo novas projeções do Institute of International Finance (IIF), que reúne 450 bancos e fundos de investimento em 70 países.

Além de a pandemia ter afetado todo o planeta e levado à paralisação dos setores industriais e de serviços —algo inédito e mais profundo do que o congelamento do setor financeiro há uma década, durante a Grande Recessão—, desta vez a China não está bancando programas de recuperação baseados em grandes investimentos em infraestrutura.

O país asiático vem concentrando recursos para ampliar créditos ao consumo, o que demandará mais alimentos e menos produtos minerais.

Pilha de minério de ferro, na mina Gongo Soco, em Barão de Cocais, Minas Gerais
Pilha de minério de ferro, na mina Gongo Soco, em Barão de Cocais (MG) - Agência Vale

Na crise de dez anos atrás, depois de o PIB brasileiro recuar 0,2% em 2009, o Brasil cresceu 7,5% em 2010, com forte demanda por commodities metálicas e agrícolas por parte da China, o que levou ao aumento de seus preços e a mais receita para os exportadores.

Desta vez, no entanto, as commodities metálicas devem ter uma recuperação modesta: alta de preços em torno de 4,5% em 2021, após queda de 2% neste ano.

Para o Brasil, o IIF projeta queda do PIB de 5,9% neste ano e alta de 3,6% em 2021 —abaixo do crescimento de 5,3% estimado para o mundo no ano que vem e dos 3,8% na média da América Latina.

A opção por não acelerar investimentos em infraestrutura da China deve afetar o Brasil por dois canais:

1) Pode haver menos apetite de investidores estrangeiros na Bolsa brasileira, na qual as commodities têm peso relevante, sobretudo por causa da Vale;

2) Os preços internacionais de alimentos devem seguir pressionados, especialmente em função da recuperação da demanda global e do dólar caro, que remunera melhor quem exporta —com reflexos na inflação interna.

Somando diferentes tipos de entradas e saídas, o Brasil terá um fluxo positivo de dinheiro estrangeiro em 2020 de apenas US$ 11 bilhões, bem abaixo dos US$ 59 bilhões de 2019, segundo o IIF.

Neste ano, a fuga dos ativos de risco do Brasil deve atingir US$ 24 bilhões (R$ 134 bilhões), mais que o dobro do registrado no ano passado.

Embora o Brasil deva crescer menos que a média dos países latino-americanos em 2021, seu tombo neste ano foi significativamente menor que o de seu principal parceiro comercial na região, a Argentina, com queda do PIB de 12,8%.

Na região, o país mais afetado pela pandemia será a Venezuela, que registra PIBs negativos desde 2014. Em 2020 o país terá encolhido 28%; e deve continuar no vermelho em 2021.

Pelas projeções do IIF, a situação da Venezuela neste ano só é pior do que a do Líbano, onde Beirute foi afetada por uma megaexplosão de um porto no início de agosto.

Mesmo antes da tragédia, o país já sofria de hiperinflação, com os preços triplicando desde março e a moeda local, a libra libanesa, se desvalorizando quase 80%.​

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.