Isolamento perdeu efetividade porque jovens não aderem, diz presidente do BC

Campos Neto afirmou que custo-benefício do isolamento é menor agora do que no início da pandemia e disse que mercado espera vacina

Brasília

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou que o distanciamento social perdeu efetividade, especialmente entre os mais jovens. Segundo ele, o custo-benefício de se adotar a medida é menor agora que no início da pandemia do novo coronavírus.

"Nós olhamos a efetividade dos distanciamentos sociais [nos países] e tem sido cada vez menor. Não porque o distanciamento é uma prática ruim, mas não tem sido tão efetivo, principalmente entre os mais jovens, em de fato limitar a mobilidade. Passou muito tempo e os jovens têm menos paciência para aderir às regras", disse em evento promovido pelo InfoMoney nesta terça-feira (24).

"Se a gente pegar o custo econômico do distanciamento social versus efetividade, o que a gente vê mais recentemente é uma relação custo-benefício inferior ao que se via no passado", completou.

Segundo Campos Neto, a segunda onda foi maior em número de casos do que de mortes - Folhapress

Segundo Campos Neto, a segunda onda foi maior em número de casos do que de mortes.

"Foi grande a segunda onda em termos de casos, mas bem menor em número de óbitos. A gente vê que tem movimentos de alta recentes em várias áreas do mundo", destacou.

Ele ressaltou que o possível surgimento de uma vacina para o vírus entrou no radar do mercado. Nos últimos dias, grandes laboratórios anunciaram alta eficácia das vacinas em teste, mas ainda não há cronograma oficial.

"O mercado começou a olhar o tema das vacinas, que começou a se aproximar de uma coisa mais real, de ter um cronograma de fato de vacinação", ressaltou.

O presidente do BC pontuou que houve grande expectativa no anúncio de pacotes adicionais de auxílio econômico nos Estados Unidos, mas que o foco mudou para o surgimento da vacina.

"O mercado está mais focado no tema de vacinas do que em impulsos adicionais", destacou.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.