Descrição de chapéu Pix

Pix vai viabilizar pequenos negócios, diz presidente do BC

Sistema de pagamentos instantâneos começa a funcionar nesta segunda para todos os clientes das instituições financeiras cadastradas

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Brasília

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou que o Pix, novo sistema de pagamentos instantâneos, poderá viabilizar pequenos negócios.

"O Pix dá amplo acesso a todos. Existem pequenos negócios que não eram viáveis porque as transferências são muito caras, então gera viabilidade", disse.

Segundo o presidente do BC, a ferramenta também poderá gerar inclusão financeira. "Precisamos lembrar que há cidades que não têm ATM [caixa eletrônico] e agência, a pessoa que tem uma lojinha e precisa ir à outra cidade depositar o dinheiro", pontuou.

As declarações foram feitas durante cerimônia de lançamento oficial do sistema de pagamentos instantâneos.

O presidente do BC ressaltou que as funcionalidades da nova tecnologia serão implementadas aos poucos.

"Existem desenvolvimentos futuros do Pix que não sabemos hoje, que vai surgir das demandas das pessoas", disse Campos Neto.

Depois de duas semanas de fase restrita, funcionando em horários específicos e com quantidade limitada de usuários, o Pix fica disponível nesta segunda-feira (16) para todos os clientes das instituições financeiras cadastradas.

O chefe do departamento de competição do BC, Ângelo Duarte, disse que no período restrito as pessoas não fizeram apenas operações de teste.

"Alguns mandaram valores muito pequenos, vimos que era para teste, mas também observamos valores mais altos, a quantia média foi de R$ 400. Então foram feitas transações reais, não só experimentais", contou.

O presidente do Banco Central Roberto Campos Neto durante cerimônia no Palácio do Planalto - Adriano Machado - 7.abr.2020/Reuters

Segundo o BC, 19 instituições foram desclassificadas durante essa fase e terão que fazer novamente o processo de autorização caso queiram entrar no sistema.

O cadastro para homologação reabre em 1º de dezembro para os bancos que ainda não aderiram ao Pix. Com isso, 734 instituições podem oferecer o serviço.

“Dezenove instituições, de participação facultativa, não realizaram todos os testes durante o período de operação restrita e, portanto, retornaram à etapa de homologação a partir de 1º de dezembro de 2020, deixando para ofertar o Pix em momento futuro”, explicou o BC em nota.

Aplicativos de alguns bancos apresentaram instabilidade nesta manhã, mas o BC afirmou que os erros estão sendo corrigidos e que o percentual de operações não concluídas foi pequeno.

"A máquina de liquidação, que é gerenciada pelo Banco Central, e de dados não apresentou problema algum", assegurou Campos Neto.

"Grande parte das operações não realizadas se deve a erros de digitação ou padronização. Não é permitido mandar Pix para conta-salário, por exemplo, e quando houve tentativa, a transação não foi concluída", explicou o diretor de organização do sistema financeiro, João Manoel Pinho de Mello.

Quando a operação não é concluída, o dinheiro não sai da conta do pagador.

Durante a cerimônia, Campos Neto também afirmou que o Pix pode gerar verticalização no comércio e reduzir intermediários entre compradores e vendedores.

"Foi iniciado um processo de verticalização de vendas, é um processo que vai mudar muito o mercado financeiro. Você vai passar a ter texto, mensageria, o conteúdo e o pagamento numa cadeia integrada. Quanto melhor for a experiência do usuário, mais integrado e disponível vai ser", disse.

A verticalização é um conceito empresarial em que uma companhia concentra todos os processos para a produção de um produto.

"Vamos passar a registrar ativos em ambiente eletrônico, no processo que chamamos de tokenização, isso faz com que o acesso seja mais fácil e elimina intermediário em vários processos de venda", destacou.

Na cerimônia, o presidente do BC fez uma doação com Pix à Associação dos Amigos do Museu de Valores da autoridade monetária. O valor, porém, não foi informado.

Apenas nesta segunda, até 18h, foram 1 milhão de operações, o equivalente a R$ 777 milhões, segundo o BC. té domingo (15), haviam sido cadastradas cerca de 71 milhões de chaves e realizadas quase de 2 milhões de transações entre instituições diferentes, o equivalente a R$ 780 milhões de reais na fase restrita.

O registro das chaves de clientes começou em 5 de outubro e uma pessoa pode fazer até 5 por conta-corrente e uma empresa, até 20.

No cadastro das chaves, o usuário vincula ao número do celular ou ao endereço de e-mail, por exemplo, as informações pessoais e bancárias dele.

Ao todo, 30 milhões de pessoas e 1,7 milhão de empresas cadastraram chaves. Entre elas, 17 milhões vincularam ao número de celular, 12 milhões ao e-mail, 1,4 milhão ao CPF (Cadastro de Pessoa Física) e 14 milhões usaram chaves aleatórias.

Na prática, quem fizer o cadastramento das chaves não vai precisar informar todos os seus dados na hora de transferir dinheiro ou pagar conta pelo Pix, ela precisará apenas falar a chave cadastrada (CPF, email ou número de celular, por exemplo).

O Pix permite fazer pagamentos e mandar dinheiro para outra pessoa ou empresa de maneira instantânea (em menos de 10 segundos) e independentemente de qual seja a instituição de recebimento.

As transações poderão ser feitas 24 horas por dia, nos sete dias da semana, incluindo feriados, e acontecerão de maneira gratuita para pessoas físicas e microempreendedores individuais.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.