Reserva de ações da privatização da Sabesp terminou nesta segunda; veja os próximos passos

Mercado estima que oferta pode captar em torno de R$ 16,5 bilhões

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Terminou às 17h desta segunda (15) o prazo para que investidores pessoas físicas façam reservas de ações da privatização da Sabesp, segundo o coordenador líder da oferta BTG Pactual. Dependendo da corretora, o horário limite foi menor. A XP, por exemplo, aceitou pedidos apenas até 16h30.

Pela operação, o investidor sinaliza a intenção de comprar uma determinada quantia de papéis da empresa de saneamento que estão nas mãos do estado de São Paulo e irão a mercado.

Serão vendidas até 220,5 milhões de ações, sendo que 15% irão para a Equatorial, o investidor de referência. A companhia foi a única interessada em exercer esse papel na privatização e não poderá vender suas ações até 2030.

O governo paulista ainda terá participação na empresa, de 18% a 22%, a depender da demanda do mercado.

0
Estação de tratamento de água da Sabesp, em Santo Amaro, na zona sul de São Paulo - Gabriel Cabral/Folhapress

Terminada a reserva, a oferta de ações vai para a sua última etapa de formação de preços. Na quinta (18), será divulgado o preço das ações vendidas pelo governo de São Paulo.

É nesse dia que os investidores serão informados de quantos papéis conseguiram reservar de fato. Segundo analistas, a demanda pelos papéis teria sido alta, o que reduz as chances do comprador arrematar todos os papéis que gostaria.

No dia seguinte, sexta (19), as ações estarão na carteira dos investidores e já podem ser negociadas em Bolsa.

Como demais investimentos de renda variável, a compra dessas ações da privatização da Sabesp será liquidada em dois dias úteis, ou seja, na próxima segunda (22). O investidor precisa ter a respectiva quantia para a compra das ações em conta nesta data.

Considerando o máximo de ações vendidas, a oferta pode captar em torno de R$ 16,5 bilhões, conforme o preço das ações já listadas no início da oferta. Esse volume situaria a oferta secundária, chamada de follow-on, como a 11ª maior do país, empatada com o IPO (oferta pública inicial, na sigla em inglês) da OGX, petroleira de Eike Batista.

QUAIS AS PROJEÇÕES PARA AS AÇÕES DA SABESP?

Na última quarta (10), as ações da Sabesp atingiram sua máxima histórica nominal (sem considerar a inflação) de R$ 85,10. O processo de privatização, no entanto, ainda tem potencial de impulsionar o papel, segundo analistas.

Projeções da Bloomberg mostram que a maioria das casas de análise mantém recomendação de compra para a ação da companhia, com preço-alvo médio de R$ 97,66 em 12 meses. O Citi, banco mais otimista dentre os consultados, projeta R$ 137.

Calcule o que falta para sua independência financeira

Em relatório recente, a EQI Research, que iniciou neste mês a cobertura da empresa, também recomendou compra e projetou preço-alvo de R$ 115 para as ações da companhia.

Para a EQI, a Sabesp tem executado de maneira bem-sucedida uma agenda de ganho de eficiência, reduzindo custos e otimizando investimentos. A privatização, além de dar continuidade a esse movimento, também pode trazer melhorias à governança da companhia, dizem os analistas.

A gestora cita, ainda, que o plano de investimentos da companhia para os próximos anos, de aproximadamente R$ 55 bilhões, pode impulsionar seu crescimento, em especial após a Sabesp ter se comprometido a universalizar o acesso ao saneamento no estado de São Paulo até 2029, antecipando o período previsto pelo novo marco do saneamento.

"A privatização pode ser uma oportunidade muito boa para a empresa ganhar eficiência e se tornar um veículo de consolidação do setor. É um negócio de crescimento muito grande, ela tem que cumprir metas de universalização [de saneamento] num prazo relativamente curto", diz Luís Moran, analista-chefe da EQI Research.

Moran também cita, no entanto, riscos que podem impactar o valor das ações da companhia. Para ele, o principal ponto de alerta o preço mínimo da ação, que, apesar de já ter sido definido, ainda não foi divulgado pelo governo de São Paulo e pode estar acima do esperado pelo mercado. Segundo o governo, os valores só serão divulgados no fim do processo, como forma de garantir mais segurança à operação e mitigar riscos. Ou seja, o investidor que se inscrever na oferta fica no escuro sobre quanto irá desembolsar de fato.

Além disso, o relatório também aponta riscos de governança, já que o estado de São Paulo ainda terá participação relevante na empresa e pode ter atritos com o investidor de referência, a Equatorial, e os demais acionistas. A gestora cita, ainda, riscos regulatórios e ambientais que podem prejudicar a empresa.

Ele ainda aponta uma possível fragilidade no principal ponto de otimismo sobre a empresa: seu programa de investimentos, que pode não ser plenamente executado, o que impactaria o crescimento projetado para a companhia.

"Num programa de investimentos desse tamanho, o risco de execução está sempre presente. Gastar tanto dinheiro nesse prazo não é algo trivial, é um desafio de engenharia, de logística e de planejamento. Sempre há problemas de execução", diz João Pedro Zanott, auxiliar de análise de investimentos da EQI.

Ele cita, por outro lado, que a nova política de dividendos da companhia condiciona o pagamento da remuneração aos acionistas ao cumprimento das metas de universalização, o que deve colocar a execução do plano de investimentos como uma das prioridades da gestão.

PLANEJAMENTO É FUNDAMENTAL ANTES DE DECIDIR INVESTIR

Apesar das projeções de alta e da euforia quanto à privatização da companhia, é preciso levar em conta os riscos de se entrar numa oferta de ações.

O planejador financeiro José Faria Júnior, da Planejar (Associação Brasileira dos Planejadores Financeiros), lembra que, antes de tudo, o investidor deve avaliar se faz sentido ter ações no seu portfólio, já que ativos de renda variável são investimentos de maior risco. Caso seu perfil de investidor seja mais conservador, com maior aversão ao risco de perder dinheiro, o ideal é evitar a compra de ações.

Além disso, ele lembra que as ações da Sabesp já são negociadas em Bolsa e estão próximas de sua máxima histórica. Se, por um lado, a performance da empresa já é sólida e conhecida pelo mercado, por outro, os papéis podem sofrer correções.

O indicador preço/lucro (PL) da empresa está em 15, o que aponta que levariam 15 anos para o investimento nesta ação se pagar apenas com a distribuição de lucro. O P/L de sua compradora, por sua vez, é 12. O da Copasa, de Minas Gerais, é 5,6, e o da Sanepar, do Paraná, é 5.

Por isso, é importante avaliar a Sabesp ao lado de outras empresas similares. Quem deseja investir porque vê oportunidades no setor de saneamento, por exemplo, pode comparar as projeções com as de outras grandes companhias do setor. Para quem busca dividendos, é possível comparar a política da Sabesp, já divulgada, com a de boas pagadoras de remuneração a acionistas na B3, como empresas de energia e bancos.

"Há uma excitação no curto prazo, mas depois, passada a euforia, o papel pode cair, em especial se estiver próximo da máxima histórica, como é o caso da Sabesp. Além disso, a ação vai continuar na Bolsa após o follow-on. Para quem não entrar na operação, não acho que será uma oportunidade perdida", diz Júnior.

Segundo analistas, há uma tendência de forte volatilidade de papéis após sua estreia em Bolsa, já que muitos compradores se desfazem da ação assim que possível, buscando atingir um lucro rápido, o que pode assustar investidores e adiar o retorno esperado.

COMO INVESTIR NA PRIVATIZAÇÃO DA SABESP?

Para se inscrever na oferta de ações, é necessário ter conta em uma corretora. Uma vez logado em sua conta, é preciso ir à seção "ofertas públicas" e, então, selecionar Sabesp (SBSP3).

Em seguida, é necessário reservar a quantidade de papéis mínima e máxima que se deseja comprar. A quantidade executada de fato só será descoberta quando os papéis começarem a negociar em Bolsa, já que a quantia de ações à venda é limitada.

Erramos: o texto foi alterado

Versão anterior de título desta reportagem afirmou incorretamente que a reserva de ações começava nesta segunda (15). O prazo na verdade se encerra nesse dia.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.