Trump retira nomeação de cética do clima para conselho ambiental

Kathleen  Hartnett  White já negou aquecimento global e atacou energias renováveis

Lisa Friedman
Washington

O governo Donald Trump planeja retirar a nomeação de Kathleen Hartnett White, uma cética da mudança climática, para chefiar o Conselho de Qualidade do Ambiente dos EUA, segundo um funcionário da Casa Branca.

O presidente Donald Trump durante discurso do Estado da União no dia 30 de janeiro - Pablo Martinez Monsivais/Associated Press

O cargo, para o qual Trump apontou White em outubro, equivale ao de uma conselheira-chefe sobre assuntos ambientais da Casa Branca.

A funcionária trabalhou na agência de regulação ambiental do Texas e já disse que o dióxido de carbono deveria ser considerado um "gás da vida" e não um poluente.

Pesquisas científicas comprovam que emissões de CO2 contribuem para o aquecimento global, mas Trump, durante a campanha eleitoral em 2016, chegou a afirmar várias vezes que a mudança climática se tratava de uma "peça" criada pela China para se aproveitar dos EUA.

Uma comissão do Senado aprovou White em primeira votação, mas sua nomeação perdeu força no final de 2017.

Isso ocorreu, em grande parte, por causa de sua performance nas entrevistas, nas quais membros do legislativo admitem que ela não só adotou visões controversas quanto ao clima, mas também tropeçou em questões sobre ciência.

Democratas criticaram textos de White em que ela chamava energias renováveis de "duvidosas e parasitárias", descrevia o combate ao aquecimento global como "uma crença, uma fé, um dogma que tem pouco a ver com ciência" e defendia que a ciência "não deve ditar políticas numa democracia".

Indagada durante a sabatina se acreditava no aquecimento global, ela primeiro afirmou "estar em dúvida". Em seguida, disse que se precipitara. "Claro que a mudança climática é real", afirmou, dizendo que a dúvida pairava sobre em que medida ela é fruto da ação humana.

Trump submeteu novamente a nomeação de White ao Senado no mês passado, mas agora tem planos de retira-la por receio de não haver votos o suficiente, disse o funcionário da Casa Branca.

Ele não estaria autorizado a falar de decisões pessoais e concedeu entrevista ao "New York Times" sob a condição de ter o nome omitido.

A reportagem não encontrou White, que trabalha no centro de estudos liberal Public Policy Foundation, do Texas, para comentar a decisão, celebrada por democratas.

A retirada do nome abre caminho para o Senado examinar outras indicações de Trump para cargos ligados à política ambiental, como Andrew Wheeler, um advogado que faz lobby para a indústria carvoeira, indicado para ser o número 2 da agência de proteção ambiental, a EPA. 

The New York Times

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.