Morte de homem negro por policiais leva a protestos e comoção na Califórnia

Desarmado, Stephon Clark, 22, foi atingido por 20 tiros; vídeo da abordagem viralizou nos EUA

Manifestantes do grupo Black Lives Matter levantam o punho durante protesto contra a morte de Stephon Clark, 22, baleado 20 vezes por policiais em Sacramento, na Califórnia
Manifestantes do grupo Black Lives Matter levantam o punho durante protesto contra a morte de Stephon Clark, 22, baleado 20 vezes por policiais em Sacramento, na Califórnia - Justin Sullivan/Getty Images/AFP
Sacramento (EUA)

A morte de um homem negro baleado por policiais em Sacramento, na Califórnia, provocou protestos e comoção nos EUA, alimentada pela revelação dos vídeos da ação dos agentes que o mataram no domingo (18).

Stephon Clark, 22, era suspeito de quebrar vidros de carros e janelas de casas numa rua. Ele foi cercado no quintal da casa dos avós e levantou as mãos, com um objeto na mão, que os policiais julgaram ser uma arma.

Os dois agentes que o cercaram dispararam 20 tiros contra Clark, que morreu na hora. As imagens gravadas nas câmeras dos políciais revelam, porém, que o homem não estava armado, mas, sim, levava um celular nas mãos.

O vídeo foi divulgado pela polícia e viralizou na internet nesta quinta-feira (22). O prefeito de Sacramento, Darrell Steinberg, disse ter ficado horrorizado, mas não opinou as “decisões em décimos de segundos” dos agentes.

Para analistas independentes, porém, as imagens não deixam claro se os policiais estavam sob perigo, motivo pelo qual os disparos poderão ser considerados pela defesa como legalmente justificados.

Por outro lado, os autores dos tiros poderão ter dificuldades em explicar porque não prestaram primeiros socorros ao homem baleado e tiraram as câmeras e os microfones, eliminando o que seriam as provas da abordagem.

Mais de 200 pessoas protestaram em frente à prefeitura, algumas ligadas ao movimento Black Lives Matter (Vidas Negras Importam, em inglês). Embora tenha bloqueado avenidas, a manifestação foi pacífica.

“Nós estamos em uma situação de profunda dor por causa da violência direcionada aos negros em Sacramento ou em qualquer lugar”, disse o reverendo Les Simmons, líder comunitário, que participou do ato.

Amigo de Clark, Clinton Primm disse que o homem morto, que tinha dois meninos de um e três anos, era “um grande pai e amava de morrer seus filhos”.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.