Palestinos praticam tortura sistemática de opositores, aponta relatório

Documento é resultado de dois anos de investigação da Human Rights Watch

Ramallah (Cisjordânia) | AFP

As forças de segurança palestinas infligem de maneira "sistemática" maus-tratos e tortura aos opositores detidos, o que poderia constituir crimes contra a humanidade, afirma um relatório da ONG Human Rights Watch (HRW) publicado nesta terça-feira (23).

"O recurso sistemático à tortura como política governamental constitui um crime contra a humanidade", passível de ser condenado pelo Tribunal Penal Internacional (TPI), afirmou Omar Shakir, diretor da HRW para Israel e os Territórios Palestinos.

A Autoridade Nacional Palestina (ANP), que governa partes da Cisjordânia ocupada, e seu rival islamita do Hamas, que controla a faixa de Gaza, utilizam de modo rotineiro a violência contra os prisioneiros, as ameaças e as detenções arbitrárias, afirma a HRW.

Manifestantes protestam com bandeira palestina próximo à fronteira de Israel, na faixa de Gaza - Mahmud Hams - 22.out.18/AFP

A violência inclui agressões, descargas elétricas ou a manutenção dos prisioneiros em posições extenuantes, destaca o relatório da ONG.

A Autoridade Palestina rejeitou as acusações da HRW. O Hamas se propôs a receber a ONG, mas não recebeu autorização de Israel para a entrada na faixa de Gaza.

A HRW afirma que os abusos das forças de segurança da ANP são direcionados principalmente contra membros do Hamas.

O relatório, de 150 páginas, é resultado de dois anos de investigação, com entrevistas de 150 pessoas e documentação sobre 86 casos concretos.

Os abusos afetam manifestantes, dissidentes, jornalistas ou blogueiros.

Este foi o caso de Sami Al Sai, um jornalista de 39 anos, suspeito de ter contatos com o Hamas e que foi detido em 2017, agredido e pendurado pelos pulsos com algemas, segundo o relatório.

Fuad Jarada, jornalista de 34 anos, foi detido pelos serviços do Hamas em junho de 2017, três dias depois de ter criticado o movimento islamita no Facebook. Passou dois meses na prisão, mais da metade do tempo em um quarto chamado de "ônibus", indica o relatório.

"Os dirigentes palestinos discursam pelo mundo sobre os direitos dos palestinos e, ao mesmo tempo, colocam em prática uma máquina opressiva para destruir a dissidência", disse Shakir.

Shakir pediu aos países ocidentais que suspendam temporariamente a ajuda à ANP. O Hamas já está muito isolado internacionalmente: o governo dos EUA e a União Europeia o consideram uma organização terrorista.

En 2018, o governo de Donald Trump cortou milhões de dólares de ajuda à ANP, o que provocou a indignação do presidente Mahmud Abbas.

"Este relatório confunde política e direitos humanos e está relacionado com o 'acordo do século', que tem como objetivo enfraquecer a Autoridade Palestina", denunciou Haitham Arar, diretor para Direitos Humanos do ministério do Interior da Autoridade Palestina.

O 'acordo do século' é uma referência ao plano de paz do governo Trump, aguardado há vários meses.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.