Doze universitários somem na China em meio a cerco a ativistas de direitos trabalhistas

Universidade alertou alunos a evitar ações de apoio aos desaparecidos

Pequim | Reuters

Ao menos 12 ativistas, a maioria universitários ou recém-graduados, desapareceram na China no que se acredita ser um esforço coordenado do governo chinês para silenciá-los. 

Os desparecimentos foram registrados em Pequim, Xangai, Guangzhou e Wuhan. Cinco deles eram recém-graduados da prestigiosa Universidade Peking.

Um deles, Zhang Shengye, foi capturado dentro do campus por homens não identificados e forçado a entrar em um carro. A universidade afirmou à agência de notícias Reuters que a ação foi a detenção legal de um suspeito por policiais e não envolveu estudantes.

Ele fazia parte de um grupo de luta por direitos dos trabalhadores chamado  Grupo de Apoio aos Trabalhadores da Jasic, em referência à demissão de trabalhadores da empresa de tecnologia Jasic que tentaram formar um sindicato.

Zhang Shengye, recém-graduado da Universidade Peking, que foi levado à força do campus no fim de semana - AP

A universidade já foi bastião do ativismo estudantil no país e teve papel central na organização do movimento anti-imperialista de 4 de Maio, em 1919, e dos protestos pró-democracia na Praça da Paz Celestial, em 1989. Agora, a Peking tenta suprimir dissidências e fortalecer o Partido Comunista desde que protestos tomaram diversas partes do país com temas desde direitos trabalhistas ao feminismo.

O cerco ocorre em meio aos esforços do próprio governo chinês, sob comando de Xi Jinping desde 2012, para controlar vários aspectos da sociedade chinesa, o que inclui censura a protestos, incluindo nos campi.

No domingo (11), um grupo de estudantes distribuiu folhetos com informações sobre o aparente sequestro de Zhang e outros estudantes desaparecidos em uma cafeteria da universidade.

Nos dois dias seguintes, alunos que já fizeram declarações de apoio ao movimento por melhores condições de trabalho nas fábricas do país foram alertados a evitar novas mobilizações por professores, pais e pessoas que pareciam policiais a paisana, segundo um dos alunos da Peking, que não quis se identificar.

Na terça-feira (13), um comitê do Partido Comunista estabeleceu novos órgãos na Peking responsáveis por fazer rondas disciplinares e "controle e gerenciamento" do campus, segundo um documento divulgado pelo comitê e obtido pela Reuters. 

O comitê fez ainda uma reunião com membros do campus para informar que um recém-graduado da universidade que estava entre os desaparecidos trabalhava em uma organização ilegal.

Nesta quarta-feira (14), a universidade alertou todos os seus estudantes a evitar demonstrações de apoio ao recentemente insuflado ativismo pelos direitos dos trabalhadores chineses e que "aqueles que desafiarem a lei" seriam responsabilizados.

Integrantes do Grupo de Apoio aos Trabalhadores da Jasic posam para foto após campanha por direitos trabalhistas em Dezhou, em agosto passado - Grupo de Apoio aos Trabalhadores da Jasic/AP

"A escola acredita que a maioria dos estudantes é sensível, mas se há pessoas perto de vocês espalhando rumores ou sentimentos reacionários, independentemente se é um professor, amigo ou colea, por favor mantenha posição firme", dizia o recado enviado aos alunos da universidade por plataformas de mensagens.

O estudante citado pela Reuters disse ainda que os alunos foram alertados de que a universidade os protegeu em ocasiões anteriores porque eles estavam sendo "enfeitiçados" pelo grupo ativista, mas que qualquer nova demonstração de apoio aos desaparecidos traria consequências.

"Eles não disseram especificamente que lei eles desobedeceram ou como e eles não deram uma explicação sobre o porquê deles terem capturado pessoas no campus de maneira inescrupulosa", disse o jovem.

"Zhang Shengye era uma pessoa preocupada com a sociedade, que se importava com as classes mais baixas e estava perto dos trabalhadores. Por que alguém como ele seria tratado dessa forma?"

O analista político Zhang Lifan afirmou que as medidas são provavelmente em resposta ao ativismo estudantil. "O Partido Comunista é muito sensível a qualquer movimento organizado em campi universitários."

Estudantes passam pelos portões da Universidade Peking, em Pequim - Thomas Peter/Reuters
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.