Primeiro-ministro grego sobrevive a voto de desconfiança no Parlamento

Votação abre caminho para que acordo com a Macedônia seja aprovado na Casa

O premiê grego  Alexis Tsipras durante a votação no Parlamento em Atenas
O premiê grego Alexis Tsipras durante a votação no Parlamento em Atenas - Louis Gouliamaki/AFP
Atenas | Reuters

O primeiro-ministro grego Alexis Tsipras sobreviveu nesta quarta-feira (16) a um voto de desconfiança do Parlamento, em um resultado que abre caminho para aprovação de um acordo que acaba com a disputa do país com a vizinha Macedônia. 

Próprio premiê tinha convocado a moção de confiança em uma tentativa de se fortalecer após perder seu parceiro de coalizão, o direitista Gregos Independente. O líder da sigla, Panos Kammenos, anunciou no domingo (13) que deixaria o governo por discordar do acordo com a Macedônia.  

Oficialmente o governo precisava apenas de uma maioria simples no Parlamento de 300 cadeiras para sobreviver ao voto de desconfiança, mas o próprio Tsipras disse que poderia convocar eleições antecipadas caso não recebesse o apoio da maioria absoluta dos parlamentares. 

No fim, foram 151 votos a favor, exatamente no limite estabelecido pelo premiê.

Além do apoio de seu próprio partido, o esquerdista Syriza —que tem 145 cadeiras—, Tsipras também recebeu apoio de parlamentares independentes e de políticos do Gregos Independentes que discordaram do comando da sigla. 

"Hoje o Parlamento grego deu um voto de confiança na estabilidade. Recebemos um voto de confiança e nossa única preocupação é continuar a atender às necessidades e interesses do povo grego", disse Tsipras a jornalistas após a votação. 

Opositores gregos do acordo dizem que o novo nome da Macedônia — República da Macedônia do Norte —, alcançado após décadas de disputa entre os dois países, representa uma tentativa de se apropriar da identidade grega.

Macedônia é o nome da maior região do norte da Grécia e que historicamente faz parte do país —é o local onde nasceu Alexandre, o Grande, por exemplo. 

Devido a disputa, a Grécia impedia que a Macedônia entrasse na Otan (aliança militar liderada pelos EUA) e na União Europeia. Por isso, os dois países fecharam o acordo em 2018, abrindo caminho para a entrada do país nos dois blocos. 

O acordo já foi aprovado pela Macedônia e agora depende apenas de uma aprovação no Parlamento grego para entrar em vigor.  

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.