Netanyahu renuncia ao cargo de ministro das Relações Exteriores de Israel

Pasta será comandada pelo atual ministro da Inteligência, Israel Katz

O primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, em seu gabinete em Jerusalém - Sebastian Scheiner/Reuters
Reuters e AFP

O premiê israelense, Binyamin Netanyahu, renunciou ao cargo de ministro das Relações Exteriores neste domingo (17) e indicou o ministro da Inteligência, Israel Katz, para substituí-lo. 

Netanyahu ocupava o cargo desde 2015. A renúncia veio após um grupo ativista chamado Movimento Por Um Governo de Qualidade ir aos tribunais pedir que o premiê deixasse de atuar como chanceler.

Netanyahu acumula ainda o cargo de ministro da Saúde e da Defesa, pasta que assumiu em novembro depois da saída de Avigdor Lieberman, que já foi seu parceiro de coalizão.

O grupo ativista argumenta que a carga de trabalho do premiê é insustentável e que isso prejudicaria um ministério das Relações Exteriores envolvido em disputas orçamentárias.

Defensores do premiê destacam as relações pessoais que ele tem com líderes dos Estados Unidos e da Rússia e as viagens regulares que faz ao exterior. 

Oficiais do governo afirmaram que Katz, que também é ministro dos Transportes, ficará à frente das Relações Exteriores durante as eleições parlamentares previstas para 9 de abril. Assim como Netanyahu, Katz é membro do partido direitista Likud.

"Junto com o primeiro-ministro, continuaremos a liderar a política externa do Estado de Israel para novas conquistas", disse Katz, 63, em uma rede social. Ele é contrário à criação de um Estado palestino e considera que não existem condições para encerrar o conflito entre Israel e Palestina.

Enfrentando acusações de corrupção, Bibi, como Netanyahu é conhecido, adiantou as eleições parlamentares de novembro para abril. Ele ainda é favorito para se manter no poder.

O estopim para a convocação foi a saída da coalizão, em novembro do ano passado, do partido de ultradireta Israel Nossa Casa, do ex-ministro da Defesa, Avigdor Lieberman. Sem os seis parlamentares do partido, a coalizão de Netanyahu foi reduzida a 61 das 120 cadeiras do Knesset (Parlamento), uma maioria frágil para a aprovação de leis.

Netanyahu é premiê há uma década, mas, ao todo, já governou o país por 13 anos —de 1996 a 1999, e desde 2009— tornando-se o premiê com mais tempo no cargo no país. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.