Papa pede fim das guerras no Oriente Médio durante visita a Abu Dhabi

É a primeira vez na história que um pontífice visita a península Arábica; Francisco citou Iêmen e Síria

O papa Francisco em visita a memorial em Abu Dhabi (Emirados Árabes Unidos) - Tony Gentile/Reuters
 
Abu Dhabi | AFP e Reuters

O papa Francisco pediu nesta segunda-feira (4) o fim das guerras no Oriente Médio, cujas "nefastas consequências" são visíveis atualmente "no Iêmen, Síria, Iraque e Líbia".

O pontífice discursou em Abu Dhabi, capital dos Emirados Árabes Unidos, durante um encontro inter-religioso internacional. É a primeira visita da história de um pontífice à península Arábica, o local de nascimento do islã.  

Os Emirados Árabes Unidos fazem parte da coalizão militar liderada pela Arábia Saudita contra o Iêmen. 

"A fraternidade humana exige de nós, representantes das religiões, o dever de banir qualquer nuance de aprovação da palavra guerra, sinônimo de miséria e crueldade. Suas consequências nefastas são visíveis atualmente no Iêmen, na Síria, no Iraque e na Líbia", disse.

Dos quatro países citados, três passam atualmente por uma guerra civil (Síria, Líbia e Iêmen), enquanto o governo iraquiano segue enfrentando a ameaça de grupos radicais islâmicos. 

"Juntos, irmãos da única família humana desejada por Deus, devemos nos comprometer contra a lógica do poder armado, contra a monetização das relações, armamento das fronteiras, construção de muros, o engasgo dos pobres".

Justificar "o ódio e a violência" em nome de Deus é "uma grave profanação", declarou ainda.

"Em nome de Deus Criador, é preciso condenar sem vacilação toda forma de violência, porque é uma grave profanação do nome de Deus usá-lo para justificar o ódio e a violência contra o irmão", disse Francisco, acrescentando: "Não há violência que possa ser religiosamente justificada".

O papa Francisco cumprimenta o imã egípcio Ahmed al-Tayeb em Abu Dhabi
O papa Francisco cumprimenta o imã egípcio Ahmed al-Tayeb em Abu Dhabi - Vincenzo Pinto/AFP

Em seu discurso, o papa também fez um apelo à "liberdade religiosa", ressaltando que ela "não se limita apenas à liberdade de culto" e que nenhuma prática religiosa deve ser "forçada" a outra pessoa.

"A liberdade religiosa (...) vê no outro um verdadeiro irmão, um filho da mesma Humanidade que Deus deixa livre e que por consequência nenhuma instituição humana pode forçar", declarou diante de centenas de líderes de várias religiões.

A viagem de três dias tem como principal objetivo melhorar a relação entre a Igreja Católica e os líderes muçulmanos. 

O pontífice desembarcou no domingo (3) no país e nesta terça (5), no último dia de viagem, irá celebrar uma missa para um público estimado de 120 mil pessoas em Abu Dhabi. O evento começará às 10h30 do horário local (4h30 de Brasília). 

Logo depois, ele embarcará de volta para Roma, onde deve chegar no fim da tarde. 

                

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.